Remo 0x1 PSC (Ramires)
Remo 0x1 PSC (Ramires)

Irmãos siameses, Remo e Paysandu costumam estar juntos em situações de aperreio. Raro é vê-los irmanados quando o momento é de glória. As agruras da fase decisiva na Série C do Brasileirão flagram, outra vez, ambos estão muito próximos. A essa altura, tanto um quanto outro têm chances de seguir na competição. Quanto a uma classificação em dose dupla, a situação já é mais difícil de acontecer.

Restando 2 jogos para a definição da classificação à próxima etapa, o mata-mata do tão sonhado acesso à Série B, apensa 1 ponto separa os velhos rivais na tabela. O time bicolor tem 24 pontos e ocupa a 5ª colocação. O Leão tem 23 pontos e vem logo atrás, em 6º lugar. Ambos estão, neste momento, fora da zona classificatória.

Para voltar ao G4 – e lá permanecer – ambos precisam vencer seus próximos jogos e contar com a mão do destino para chegarem ao Re-Pa de 25/08 precisando apenas de um empate, mas não será tão simples assim.

Vamos por partes, como diria Jack…

O Paysandu tem, teoricamente, mais probabilidades de alcançar seu objetivo. Caso supere na quinta-feira (15/08) o desesperado Luverdense-MT, ameaçadíssimo de rebaixamento, vai a 27 pontos e fica quase garantido, esperando o clássico para sacramentar posição. O jogo é em Lucas do Rio Verde (MT).

O Remo precisa passar pelo São José (RS) na próxima sexta-feira (16/08) para alcançar 26 pontos, ficando a partir daí com a obrigação de pelo menos empatar o clássico. Ainda assim, não estaria plenamente garantido.

É claro que, caso tropecem na 17ª rodada, situação possível pela inconstância da dupla, correm o sério risco de “morrerem abraçados” na partida final. É preciso levar em conta, também, que o Juventude (RS) já está praticamente classificado, com seus atuais 27 pontos, 7 vitórias e 7 gols de saldo.

Na comparação direta com os outros times que buscam a classificação, disputando vagas com Ypiranga-RS (25 pontos), São José-RS (25) e Volta Redonda-RJ (24), a dupla Re-Pa tem que torcer para que o Volta Redonda (RJ) não vença mais na competição. Um empate em casa com o Juventude (RS) e outro com o São José (RS), em Porto Alegre (RS), deixaria o Voltaço com 26 pontos.

Com derrota em Belém diante do Remo e empate com o Volta Redonda (RJ), o São José (RS) também estancaria nos 26.

É a única combinação possível para que Remo e Paysandu se classifiquem com um empate no clássico, mas isso cai por terra se, na rodada final, houver um vencedor entre São José (RS) e Volta Redonda (RJ).

A classificação dos clubes paraenses, sem depender de ninguém, seria com vitórias em seus dois jogos restantes. Se vencerem Luverdense (MT) e Remo, o time de Hélio dos Anjos fecharia esta fase com 30 pontos e 7 vitórias. Para os azulinos, a situação é igual: derrotando São José (RS) e Paysandu, chegaria aos 29 pontos e 7 vitórias.

Existem outras combinações possíveis e mais complexas. Vamos lá:

Paysandu empata com o Luverdense (MT) e vence o Re-Pa. Caso perca o primeiro jogo e vença o clássico, vai a 27 pontos e torceria para que o Remo vencer o São José e por empates do Volta Redonda (RJ) contra Juventude (RS) e São José (RS). Caso empate os dois próximos jogos, o time bicolor termina com 26 pontos e a definição será pelo número de vitórias, saldo de gols e quantidade de gols marcados, mas as chances se reduzem drasticamente.

Se empatar com o São José (RS), o Remo precisaria obrigatoriamente ganhar o clássico para somar 28 pontos. Caso vença os gaúchos e empate o Re-Pa, chega a 27 pontos. Em caso de derrota para o São José (RS), estará praticamente eliminado, pois chegaria no máximo a 26 pontos vencendo o Re-Pa, podendo ser ultrapassado no saldo de gols e número de vitórias.

Outra possibilidade – remota – de vermos a dupla Re-Pa no mata-mata é se o Ypiranga (RS) perder em casa para o Boa Esporte (MG) e não vencer o Juventude (RS), em Caxias do Sul (RS). O atual vice-líder ficaria estacionado nos 26 pontos, abrindo outra vaga no G4 final. O problema é acreditar na zebra monumental que seria uma vitória mineira em Erechim (RS).

Óbvio que tudo isso seria dispensável se Remo e Paysandu tivessem feito seu dever de casa. Os bicolores jogaram pela janela 11 pontos preciosos diante de Juventude (RS), São José (RS), Luverdense (MT), Ypiranga (RS) e Boa Esporte (MG). O Remo pisou na bola diante de Juventude (RS), Luverdense (MT), Ypiranga (RS) e Tombense (MG), desperdiçando 9 pontos em Belém.

Fora de casa, ambos também vacilaram em jogos que podiam ter vencido, como o Paysandu diante do Juventude (RS) e o Remo contra Tombense (MG) e Boa Esporte (MG). Como o “se” não é parte da regra escrita do futebol, a luta agora é para errar o mínimo possível.

Blog do Gerson Nogueira, 13/08/2019

3 COMENTÁRIOS

  1. Alguns erros aí. Se o Remo empatar com o São José e ganhar o rexpa chegaria 27 e não a 28 pontos. Assim como se ganhar o são.josé e empatar o rexpa. E o Remo saiu na frente em 4 e não apenas em dois jogos fora de casa: Juventude,Tombense, Boa Esporte e Ypiranga. Aliás o Remo o seguiu a proeza de recolocar dois times na competição e se afastar do G4. Contra o Ypiranga aqui, o Remo massacrou mas não fez gol,lá saiu na frente e não segurou, além de não ter tido competência pra fazer o segundo gol. Contra a Mucura eu me recuso a relembrar aquele jogo indignantemente “normal”. Curiosamente, ambos estão à frente do Remo. Contra os times que estão à sua frente, o Remo venceu apenas um, o Volta. Agora cabe acertar a contas contra o São José e no rexpa. Chances há, depende apenas dos jogadores.

Comentários