CRB-AL 2×2 Remo (Marlon)
CRB-AL 2×2 Remo (Marlon)

Existem alguns jogadores do Clube do Remo que têm chamado atenção pela sua regularidade, jogo após jogo, tanto pelo lado individual quanto coletivo. Esse papel tem sido executado com primor nas laterais.

Na direita, o clube tem duas opções, com Wellington Silva e Thiago Ennes passando segurança. Pela esquerda, Marlon reina sozinho desde o ano passado. Sua presença é considerada essencial, especialmente no aspecto ofensivo, ao ser o grande “garçom” da equipe, com 6 assistências distribuídas nesta temporada.

Porém, como toda cobrança natural, o jogador entrou na rota de críticas nas partidas frente ao CRB (AL), pela estreia na Série B, e contra o Atlético (MG), pela Copa do Brasil, pela falta de amparo à defesa.

Aos 35 anos e com a contratação recente de Igor Fernandes para o elenco, Marlon reiterou ainda mais o seu desejo de demonstrar evolução e seguir na titularidade absoluta na onzena principal. Até por isso, o jogador encarou como fundamental a chegada de um colega de ofício.

“Encaro da melhor maneira. Sei que é um grande jogador, teve passagem por grandes equipes, então só quem tem a ganhar com isso é o Remo. É deixar uma boa dor de cabeça para o professor, que vai ver durante os treinamentos para escolher o melhor. Quem for escolhido vai procurar se doar ao máximo para ajudar o Remo para conseguir as vitórias”, comentou.

Quanto às cobranças da torcida pela suposta limitação defensiva, o jogador foi categórico.

“Todo jogador recebe críticas, é normal na carreira, mas sou um cara experiente e aprendi muito com o futebol. Tenho experiência e tiro de letra”, destacou.

“Estou procurando fazer o meu trabalho durante a semana para quando chegar na hora das partidas estar bem. A gente quer o bem do clube. O professor me cobra muito. Série B é um campeonato muito difícil, todos sabemos. Então vamos procurar batalhar muito nos jogos para sair com as vitórias. Vamos implantar nosso ritmo de jogo, com alta intensidade, porque a gente sabe que jogador de alto nível tem que estar com intensidade muito alta para sair com as vitórias”, ponderou.

O lateral-esquerdo frisou que seguirá afiando a sua principal característica em prol do time.

“Sempre fui um cara que dá bastante assistência e aqui não é diferente. Tenho um ano de clube e na maioria dos campeonatos consegui ajudar a equipe. Na Série B não vai ser diferente. Espero dar continuidade no trabalho com assistências, porque sei que é de grande importância para a equipe. Espero servir os companheiros para que eles consigam fazer os gols”, concluiu.

Diário do Pará, 06/06/2021

9 COMENTÁRIOS

    • Tem dificuldade de marcação mesmo. Preparo físico insuficiente talvez para acompanhar a série B, porém quanto às assistências ele é disparadamente o melhor, veja, ele não está dois anos no clube, ele veio meio do ano passado, pra jogar a série C, nesta competição ele deu 7 assistências senão me engano e nessa temporada (que começou praticamente em fevereiro, ele já tem 6), ou seja, 7+6=13. Muito maior que o Gedoz que deve ter umas 2 ou 3 nas duas temporadas e infinitamente maior por exemplo que o Tcharlles, que como atacante não deu nenhuma que eu saiba. Mas o Marlon precisa melhorar sim, inclusive tem errado muitos cruzamentos, perdido a medida (nessa série B).

  1. Realmente o Marlon tem errado muito os passes e chutes. Mas nas jogadas de bola parada pode ser muito útil em partidas difícil, precisando de mais jogas ensaiadas nas faltas. com relação a marcação é o maior obstáculo, porém o Tocantins é fraco no apoio e o cabeça de área, mais ainda. Fica para o técnico saber e querer aproveitá-lo, pois com certeza ele é muito útil ao plantel.

  2. Marlon o garçom do time, jogador muito qualificado, porém não tem mais preparo físico para subir ao ataque e voltar para marcar, devido a isso poderiam aproveitar o seu talento o colocando com função de volante canhoto ou meia esquerda.

    É injusto alguns torcedores o crucificarem com palavras pejorativas, bando de ingratos, pois esquecem que o Marlon já foi várias vezes decisivo em suas passagens pelo Remo, e recentemente na série C, inclusive em REpa. Ele continua sendo, como no segundo gol do Remo contra o CRB ao bater a falta que resultou o gol do Lucas Siqueira. Nesse último jogo contra o Brasil o Marlon tirou dois tirambaços na direção a meta do Vinícius e que poderiam ser gols do Brasil.

    Marlon é exemplo, quem dera se todos jogadores do Remo tivessem a mesma doação ao time desse guerreiro remista.

Comentários