Sobradinho-DF 1x0 Remo (Cris)
Sobradinho-DF 1x0 Remo (Cris)

Com um time mesclado, quase todo formado por reservas, o Remo se deu mal ao estrear na Copa Verde 2019. Permitiu-se descer ao nível de um adversário limitado tecnicamente, com jogadores semiamadores e que, de início, até respeitava o chamado “peso” da camisa azulina. Curiosamente, após a derrota, o técnico Márcio Fernandes repetiu o discurso decorado de que “os jogadores não renderam o esperado”.

Ao criticar o rendimento coletivo e individual contra um oponente de Série D, o técnico esquiva-se de responsabilidades. Como se nada – ou pouco – tivesse a ver com a atuação do time. As coisas não são assim. Técnicos formatam a equipe e formulam a maneira de jogar. Quando o time não funciona, obviamente, há problema com os jogadores e com o técnico.

Depois de um primeiro tempo sem emoções, o Sobradinho (DF) resolveu ser mais audacioso na etapa final. Passou a arriscar chutes de média distância e jogadas pelos lados do campo. O Remo, apesar dessa discreta ameaça, seguiu do mesmo jeito. Parecia um grupo reunido para aquelas peladas de fim de semana, sem maior compromisso com o placar.

Marcão Assis, que no primeiro tempo havia perdido uma boa chance, voltou a desperdiçar outro lance precioso na área. É um exemplo típico do critério errático nas contratações. O Remo precisava de um centroavante, saiu procurando e, diante das dificuldades de mercado, optou por Marcão, que tinha contra si a passagem fraca pelo Paysandu, há 2 anos.

Nem isso impediu sua aquisição pelo Remo. Quando está em campo, Marcão entrega mais ou menos o mesmo rendimento dos tempos de Curuzu, o que significa rigorosamente nada. É um jogador de muita luta e comprometimento, mas não funciona como fazedor de gols.

Com mudanças feitas por Márcio Fernandes, o Remo inicialmente pareceu mais ágil nas ações ofensivas, superando até as precárias condições do campo do estádio Abadião. Emerson Carioca e Hélio Borges substituíram a Marcão e Alex Sandro, mostrando mais rapidez e busca de chegada pelos lados. Ronaell entrou na lateral-esquerda e parecia que o time finalmente ia engrenar no jogo.

O problema é que não havia produção criativa no meio-campo. Zotti lançou algumas bolas no primeiro tempo, mas na etapa final acabou se resignando em tocar para os lados e acompanhar o festival de ligações diretas sem efeito prático para o time.

Nos minutos finais, meio aos trancos e barrancos, o Sobradinho (DF) foi mais eficiente e chegou ao gol através de Carlos Henrique, aos 41 minutos. Não havia mais tempo para reagir e nem o Remo demonstrava disposição para isso.

É claro que a desvantagem pode ser revertida no jogo de volta, marcado para 21/08, mas ficou a sensação de que – com titulares ou reservas – o Remo parece ter perdido o foco e o rumo. Mesmo tardiamente, talvez seja oportuno um choque de gestão.

Blog do Gerson Nogueira, 14/08/2019

7 COMENTÁRIOS

  1. Os adversários já sabe como o REMO joga aí fica fácil neutralizar, tem que mudar o jeito de jogar mudando de treinador

  2. Esse presidente do Remo não viu Alcindo, Bira, dadinhos jogarem, época em que os centroavante do Remo faziam em média 20 gols pó temporada, agora esses que foi contrato é em média um gol em vinte partidas, vai entender isso, é um vexame pra nós torcedores azulinos

  3. Esse time do Remo se limitou a não produzir mais nada. Agora pode vim quem quiser que vai bater no Leão. Que porcaria. Aí eu pergunto ao Remo 100%, conseguiram transferir o jogo contra o São José para o Baenão? Aposto que não. Palhaçada!!!

  4. Não dá mais para o Márcio Fernandes. Não consegue fazer o time jogar bem e a cada jogo só piora., Choque de gestão é necessario. Dispénsar pérnas de pau ( Dedeco, Tufa, Marcão Santana, Danilo Bala, emerson Carioca, entre outros)

  5. Muito bom o Blog do Gerson Nogueira, acontece que o Fenômeno Azul acredita na superação que deverá acontecer através de vitórias e não de empates, o certo é que os comentários estão surgindo efeito, este ano de 2019 estou mais contente porque nunca estivemos na Zona de rebaixamento, eu estou em festa porque vamos duelar contra o São José com a possibilidade de terminar no G4, ao contrário de Luverdense, Boa Esporte e Tombense que vão duelar para evitar o rebaixamento e o Atlético Acreano que já está rebaixado. O leão precisa apenas de confiança e muita garra para terminar no G4 porque bons jogadores tem.

  6. Realmente…nao sei o que está faltando pra mandar esse técnico embora…jogadores não tem nenhuma pontaria….o time só pensa em empatar….nao há esquema tático nenhum….mais uma vez continuamos na série C….com esse time medíocre que empata com o sobradinho….resta mais o que!!??

Comentários