Fábio Bentes
Fábio Bentes

Nos últimos dias, o presidente do Remo abandonou a figura do politicamente correto. Fábio Bentes posou para fotos com uma imagem do árbitro Leandro Vuaden, que marcou o pênalti que deu início a uma polêmica envolvendo a eliminação do Paysandu na Série C.

Após um treino do Leão no Baenão, se preparando para o clássico deste domingo (06/10), Fábio ficou no “meio-termo”, entre o politicamente correto e o incorreto. Na entrevista a seguir, o gestor também falou sobre o momento da temporada, as polêmicas contra o rival e o projeto de iluminação do estádio azulino.

Você se arrepende das polêmicas com o Paysandu, especificadamente, com o presidente bicolor Ricardo Gluck Paul?

Tiveram erros de parte a parte. A minha reação foi motivada por uma situação pós-eliminação do Remo do Campeonato Brasileiro. O presidente Ricardo deu declarações falando da satisfação de ter ganhado o Remo, de ter eliminado. Disse em uma rádio que ia ter bicho até para jogador do Remo. Isso me deixou chateado. Entendia que ele estava jogando para a torcida dele. Esperei o momento e entendi que aquele momento (após o jogo contra o Atlético-AC), era propício para fazer aquilo. Depois, ele deu declarações infelizes e me excedi em algumas entrevistas. Compro o barulho, as dores. Entendo que, com relação a arbitragem, não é motivo para anulação de jogo. É motivo para punição de árbitro. Demos entrada em um documento pedindo punição ao Dewson (Freitas, árbitro paraense que deixou de marcar um pênalti para o Remo no último clássico). Ele foi afastado do quadro Fifa. Se tem relação direta, não posso afirmar. Encaminhamos para a comissão de arbitragem, copiando a Federação, apresentando o lance. O próprio presidente do Paysandu admitiu que foi pênalti. Achei isso legal.

Você dividiu a readequação do Baenão em etapas. O que o torcedor quer saber é: o Remo jogará o Parazão de 2020 no Baenão?

Joga. Temos plano A e plano B para que isso se concretize. Já iniciamos (o projeto de iluminação), está sendo montado uma subestação, compramos o transformador. Estamos trabalhando para viabilizar a segunda etapa, tem possibilidades. A terceira etapa envolve essa área de cabos e já estamos viabilizando com um parceiro do clube. A quarta etapa é a aquisição dos refletores. Se precisar da força do torcedor azulino, ele estará junto. Não posso cravar em qual jogo do Campeonato Paraense, mas jogaremos à noite no Baenão.

Estamos diante de um jogo que pode levar o Remo para uma final da Copa Verde ou que pode encerrar a temporada. Você está preparado para lidar com toda essa emoção?

Estamos preparado para o melhor e para o pior cenário. O plano A é passar pelo Paysandu e seguir trabalhando. Sabemos da qualidade do time adversário, mas o Remo tem plenas condições de ganhar essa partida. Se isso não acontecer, temos um plano alternativo.

Ficou clara a tendência do treinador Eudes Pedro de barrar “medalhões” do time, como Eduardo Ramos. Zotti pode se tornar titular. Além disso, o lateral-direito Rony pede passagem, o que tiraria Cesinha da equipe titular. Como você avalia esse momento?

Trago um treinador para que ele possa colocar os melhores no time. Ele vai ser cobrado pelo time que ele escalar e pelo resultado da partida. Não saímos satisfeitos com o empate (no primeiro Re-Pa). Tivemos erros e vamos procurar melhorar. Isso passa pela mudanças na equipe. Não sei se vai ser nas posições que você citou, mas esperamos melhorias.

Incomoda o fato de não ganhar do Paysandu em 2019? Hoje é a última chance na temporada.

Entrei para ser presidente do Remo, não com objetivo de ganhar do Paysandu. Entrei para ser presidente para arrumar a casa, manter em dia a folha, colocar em dia o Profut. Claro que queríamos (ter vencido antes) e tivemos um time competitivo, que foi campeão estadual. Na Série C, fizemos 27 pontos. Em outros anos, 27 pontos sempre classificava. Com relação a não ter ganhado um clássico, isso é conjuntural. Não me incomoda. Já ganhei em anos anteriores. Questões pontuais acabaram decidindo uma partida. Vou me prender a esse jogo agora. Precisamos ganhar agora.

Qual o valor da premiação caso o Remo elimine o rival hoje?

Um bom bicho. Se disser quanto é o bicho, eles (jogadores) vão ficar p… comigo (risos).

O Liberal.com, 04/10/2019

5 COMENTÁRIOS

  1. Mano essa resposta foi na cara de jornal mucurento (Entrei para ser presidente do Remo, não com objetivo de ganhar do Paysandu. Entrei para ser presidente para arrumar a casa, manter em dia a folha, colocar em dia o profut)parabéns Fabio bentes esse é o caminho nao ligue pra essa imprenssa tendenciosa aqui desse estado..

  2. O Leão fez um e a nossa zaga permitiu ao PSC fazer três, observem que o PSC apresentou melhor sistema defensivo, porém a Zaga do Leão pode evoluir em 2020 para segurar o sistema ofensivo do nosso maior adversário, seria possível o leão duelar com os três Zagueiros e fazer um gol e não levar nenhum. O Leão vai precisar melhorar o sistema defensivo para ser tri campeão Paraense em 2020. Ou o Leão contrata um Zagueiro mais seguro do que os atuais ou terá que começar a treinar e duelar com seus três Zagueiros principais. Será um quebra cabeça para Eudes Pedro resolver.´É lógico que as análises para transformar o Leão em um Time praticamente imbatível em 2020 estão abertas, entretanto não adianta ter um sistema ofensivo muito eficiente se não existir um sistema defensivo exemplar, ou seja não adianta contratar um goleador que faça dois gols por duelo e ter uma zaga que leve três gols por duelo.

  3. Futebol não foi feito para amadores, futebol foi feito para amadores, enquanto o Clube do Remo encarar o futebol como amador sempre irá padecer.

Comentários