Remo 3×1 Paysandu (Rafael Jansen, Salatiel e Mimica)
Remo 3×1 Paysandu (Rafael Jansen, Salatiel e Mimica)

O Re-Pa deste domingo é um passo largo para o acesso à Série B, nessa obsessão de azulinos e bicolores. Clássico valioso, que deve dobrar o potencial financeiro do vencedor e adiar a mesma glória para o perdedor. Para os atletas, o que está em jogo?

Na cabeça do atleta, a conquista do acesso significa crédito para novo contrato em melhores bases financeiras, na realidade da Série B, além de melhor vitrine e perspectivas de valorização no mercado, mas não para todos!

O clube que sobe torna-se muito mais seletivo, até porque passa a ser alvo de frequentes oferecimentos. Muda o desafio na gestão!

O Leão volta a campo neste domingo (10/01), a partir das 18h, para enfrentar o Paysandu, no Mangueirão. O jogo é válido pela 5ª rodada do quadrangular do acesso na Série C e terá transmissão ao vivo e exclusiva pela DAZN. Clique aqui para fazer sua assinatura agora e ganhe 30 dias grátis.

Não basta subir, é preciso crescer

No modelo de gestão que teve até 2018, se subisse, o Remo logo cairia. Atualmente, o clube mostra organização e estruturação para continuar crescendo e merecendo a Série B. Com mais alguns significativos avanços, pode sonhar com Série A.

A forma como está atravessando esta pandemia diz bem quanto o Leão melhorou como clube. No mínimo, está sabendo traduzir em resultados o amplo apoio do governo estadual, através do patrocinador Banpará.

Estando na Serie B e com o Mangueirão ampliado para 53 mil lugares, o Leão estará em plena decolagem.

Expectativa de receita

Uma noite fadada a testar corações. Os clubes projetam os ganhos financeiros com a subida à Serie B em cerca de R$ 12 milhões e R$ 15 milhões, dependendo de terem ou não terem renda de bilheteria.

Heróis e vilões

No último Re-Pa, o bicolor Serginho virou vilão e o azulino Rafael Jansen herói. Valendo ascensão à Serie B, o clássico deste domingo (10/01) tem toda tendência para terminar com heróis e vilões novamente, como toda decisão. Quem serão? Eis a questão!

O jogo vai exigir estabilidade emocional, virtude de jogadores que não se deixam impactar por pressão, que se superam, sobretudo quando falham. Enfim, um Re-Pa para os “cascudos”.

Pendurados

O Remo não tem nenhum jogador pendurado com 2 cartões amarelos. O Paysandu tem Bruno Collaço, Wellington Reis, Juninho e Vitor Feijão pendurados, o que causa uma preocupação extra pelo risco de perdas para o jogo de Erechim (RS).

O que Bonamigo e Brigatti acrescentaram?

Ambos os técnicos chegaram no meio da Série C. O Remo ganhou equilíbrio entre os setores. O time azulino que se defendia bem, mas era fraco no ataque. Continuou consistente ao se defender e passou a ser contundente ao atacar.

O Paysandu ganhou a identidade de um time mais aguerrido e organizado.

Coluna de Carlos Ferreira, O Liberal, 10/01/2021

1 COMENTÁRIO

Comentários