Anderson Uchôa
Anderson Uchôa

O Remo foi eliminado da Copa do Brasil, perdendo os 2 confrontos da 3ª fase para o Atlético (MG), mas segue invicto na Série B. A avaliação do técnico Paulo Bonamigo, após a exibição de quinta-feira (10/06), no Mineirão, sinalizou para o aproveitamento de lições deixadas pelo enfrentamento com um dos melhores times do pais.

Para o torcedor, a partida deixou a sensação de que o time pode disputar em alto nível o Brasileirão. As pretensões de terminar a competição na parte superior da tabela foram reforçadas pelo futebol apresentado. Intensidade, busca pelo ataque e esforço por uma conexão entre os setores foram as principais virtudes do Remo na despedida da Copa. A concentração quase garantiu o empate, apesar do alto nível do adversário.

Bonamigo destacou o destemor e a confiança de seu time, que em nenhum momento se rendeu taticamente. O Remo utilizou o sistema 4-3-3, sem se preocupar em fechar marcação no meio, como a maioria dos adversários do Galo costuma fazer. Foi propositivo e aberto, sem medo.

A maturidade técnica que o técnico projeta para as próximas partidas ficou evidenciada na segunda metade do jogo. Com base nisso, os passes curtos, decorrentes da aproximação entre os setores, devem se tornar prática permanente nos jogos da equipe na Série B.

Contra o Botafogo (RJ) de Marcelo Chamusca, a história muda de figura. O embate tende a ser mais intenso e verticalizado. O Remo terá que confirmar todas as premissas positivas. O adversário azulino está em fase de construção, tem mostrado desempenho instável, mas encara o jogo como decisão.

Bonamigo tem sólidas crenças táticas, mas desempenhos individuais podem comprometer um modelo de atuação. Desde o Parazão, o sistema defensivo apresenta furos. Quando atacado, o Remo não tem volantes rápidos e fisicamente capazes de encarar o duelo à frente da área.

Os zagueiros são criticados e Rafael Jansen virou alvo fácil dos detratores. Acontece que, sem proteção adequada, nenhuma linha de defesa funciona a contento. A todo instante, os zagueiros de área ficam frente a frente com os atacantes, dificultando a ação de combate. Foi assim nas partidas contra o Atlético (MG).

O Remo aprecia jogar com a bola nos pés, controlando a movimentação em campo, mas se torna vulnerável quando não tem a posse. É aí que entra a importância de volantes pegadores, que marcam firme e encurtam distâncias.

Anderson Uchôa não é um primeiro volante clássico. A missão ali é basicamente a de resguardar a defesa. Lucas Siqueira também não é um “cão de guarda”, embora participe mais do desarme que o companheiro. Por esse motivo, Charles, volante naquele time da Série C, faz falta. Paulinho Curuá, Arthur e Vinicius Kiss estão disponíveis no elenco e podem ser testados na função.

No ataque, Jefferson destoa. Lucas Tocantins contribui mais para as ações de ataque. Apesar disso, ele não é maior problema. Responsável pela criação, Felipe Gedoz caiu de rendimento desde o Parazão. O meia trava o jogo e não participa do balanço necessário para garantir a transição ofensiva.

Para vencer o Botafogo (RJ), o Remo precisa corrigir essas situações.

Blog do Gerson Nogueira, 13/06/2021

6 COMENTÁRIOS

  1. O REMO com esse técnico não vai a lugar nenhum. Obrigado Bonamigo, mas tchau. Essa mudança é necessária. Time previsa de intensidade e jogadas de ataque. Triste.

  2. Derrota ridicula torcida tem que cobrar em cima do que a gente fala TEM QUE QUALİFİCAR O GRUPO.

  3. Tá na hora de mandar todo mundo embora. Inclusive os porteiros e, as cozinheiras principalmente! Assim a “torcida” ficará feliz!

  4. O Elenco do Remo tem só iludido a torcida, na redes sociais passa a imagem de um time nível série A, porém em campo é um elenco muito fraco ondem além de um defesa fragilizada, o ataque não fazendo nada em cada, se vc para ver os gols do Remo tem sido do jogadores defensivos, sem falar que o setor de crianção do Remo não existe, infelizmente agora vai começar a queda do Remo em campo, precisamos fazer uma limpeza urgente no elenco e trazer jogadores que venham no mínimo jogar com raça, pq já vimos muitos jogadores como esses que no final de campeonato abandona o barco e quem assume sempre são os jogadores da base.

  5. Ja deu Bonamigo pra ti. Escala mau, esquema péssimo, teimoso. Tchau pra ti. Leva Marlon, Gedoz, Uchôa, jansen e etc..o úncio lado bom, disso td é q tá no começo. Sr Fabio Bentes pelo Amor de Deus ainda da tempo. Dá uma Chacoalhada logo quanto a tempo. E temos q fazer PRESSÃO. Não tem mais espaço no Time Titular. Vinícius, Jansen, Marlon, Uchôa e Gedoz

Comments are closed.