Baenão
Baenão

O estádio Baenão está prestes a completar inacreditáveis 5 anos sem sediar jogos oficiais – o último foi em 01/05/2014, com o Remo vencendo o Independente de Tucuruí por 4 a 0, pelo Campeonato Paraense daquele ano.

A aflição do torcedor azulino é compartilhada pela atual diretoria, cujo presidente Fábio Bentes tenta criar alternativas para arrecadar fundos e reabrir o estádio. Foi uma promessa de campanha de Bentes, que antes de se tornar dirigente, era um torcedor de arquibancada.

A última forma de arrecadar dinheiro envolve uma solução a curto prazo e Fábio explicou o novo planejamento.

“Iremos anunciar um novo patrocinador”, avisou, se referindo a um acordo com uma cervejaria. Fábio confirmou que o acordo será apresentado no dia 14/03, no evento de lançamento dos novos uniformes do Remo.

“O valor desse patrocínio será destinado 100% às obras do Baenão”, garantiu o mandatário azulino.

Os valores do repasse do patrocinador não serão divulgados em função de cláusulas contratuais. No entanto, com a certeza do patrocínio, Bentes vai ao mercado tentar levantar um total de R$ 500 mil, que é o valor estimado para fazer as obras necessárias e reabrir o Baenão. Deste valor, cerca de R$ 300 mil serão destinados ao sistema de combate a incêndio, que é o processo mais oneroso.

“Envolve sistema de hidrantes, rotas de fuga, abertura de novos portões, tubulação, mangueiras. Isso tudo é caro”, frisou Bentes.

Caso o plano dê certo, a ideia é que o estádio esteja pronto para sediar jogos oficiais até junho deste ano.

“Queremos que alguns jogos da Série C sejam no Baenão, excetuando-se os clássicos contra o Paysandu e jogos de grande porte. É melhor termos 14 mil no Baenão do que 20 mil no Mangueirão, considerando-se a questão envolvendo custos”, relatou.

“Além disso, no Baenão, temos o faturamento do bar, tem o fato de ser o nosso local de treino, a torcida estar mais perto. São vantagens”, enumerou o presidente azulino.

Para esse planejamento imediato de Fábio Bentes, não está listada a reestruturação da arquibancada que fica próxima à Travessa das Mercês, que foi derrubada na gestão do ex-presidente Zeca Pirão.

Permanecem as arquibancadas do lado das Avenidas Rômulo Maiorana e Almirante Barroso e as cadeiras para o lado da Travessa Antônio Baenão. Segundo o cálculo da diretoria do Remo, os 3 lances de arquibancada e mais as cadeiras resultariam em aproximadamente 12 mil lugares disponíveis.

A reestruturação do Baenão é uma prioridade para a gestão do Remo. Em 2014, falava-se na construção da “Arena Baenão”, que se tornou um grande pesadelo. Na época, o valor da obra foi estimado em R$ 1,5 milhão, incluindo revitalização das arquibancadas e construção de uma estrutura nova para 1.872 cadeiras e 30 camarotes – promessa que resultou apenas na destruição do lance de arquibancada que dá para as Mercês.

O Liberal, 10/03/2019

13 COMENTÁRIOS

  1. Engraçado que esse politico imbecil chamado Zeca Pirão fez essa cagada toda e ficou por isso mesmo,era para estar respondendo no minimo um processo por irresponsabilidade e má administração e danos ao patrimônio do clube.

  2. Presidente vc está aí pra isso..cobrar do pirão essa vergonhosa lambança que essa mercadoria fez pra nação azulina deveria ser proibida essa figura inutil no Baenao…fato

  3. Eu acredito que o acordo com uma cervejaria vai reforçar a entrada de recursos para conclusão do projeto o Retorno do Rei ao Baenão. Isto é necessário porque nossa imensa Torcida com dezenas de milhares de admiradores preferem prestigiar esta cervejaria através do consumo da bebida do que Lotar o Mangueirão com pelo menos 25.000 Azulinos nos momentos de baixa de rendimento dos nossos craques, ou seja a imensa Nação Azulina ao conhecer tal cervejaria vai se divertir bebendo moderadamente tal bebida e ao mesmo tempo estará ajudando a cervejaria patrocinar a conclusão do Projeto o retorno do Rei ao Baenão. Se a grande multidão azulina Lotasse o Mangueirão também nos momentos de baixa de rendimento dos nossos craques o Evandro Almeida seria inaugurado em maio do corrente ano. A Gigante Nação ainda não compreendeu que momentos de baixa de rendimento passam rápido quando Lotamos o Mangueirão.

  4. Esse Fabio Bentes é um presidente BUNDÃO… Não vai fazer NADA e será igual aos outros LIXOS que passaram no Remo.

  5. Ok é louvável o fechamento desse contrato com ima cervejaria e destinação do valor fechado para a restruturação do baenao , contudo acredito se caso o valor do aluguel do espaço do baenāo para o grupo farmacêutico que aluguou o espaço por 10 anos por 70 mil mensal, bastava a direção do clube do Remo durante a negociação com o sitado grupo, criarrem em comum acordo um cláusula contratual para liberação de certo valor para fim específico, ou seja, terminar as obras do baenāo.

  6. Do jeito que o elenco do Leão está combalido, é melhor deixar o campo do jeito que está. Para quê ajeitar estádio se não tem jogador pra competir!? Este ano de 2019 vai ser mais um ano de derrota para nós torcedores do Remo. O Clube não tem jogador. Só quem presta é o goleiro Vinicius. Até o mimica que entende se machucou. Eita Leão quebrado da musenga.

Comentários