Técnico do Sub-20 aposta em 5 promessas para 2018

07/10/2017
Wallace

A base do Clube do Remo, desde sempre, é um dos assuntos que mais geram debates dentro da instituição. Seja pela revelação de novos jogadores para a utilização no elenco profissional ou pela venda de atletas para poder gerar lucro aos cofres azulinos.

Com o exemplo da atual temporada, quando boa parte do grupo formado para a principal competição do time no ano – a Série C – veio de fora e não deu conta do recado, a expectativa para a inclusão da molecada ainda na pré-temporada deste ano é alta. Conforme o esboço feito pela nova diretoria de futebol, a se confirmar sua continuidade, esse será um dos principais tópicos do planejamento.

Desse modo, com o começo do Campeonato Paraense Sub-20, o certame é encarado como preparação para dois pontos fundamentais no futuro das jovens promessas: a Copa São Paulo de 2018 e o futebol profissional do mesmo ano. Sendo assim, de acordo com o treinador da categoria, Raimundo Pereira dos Santos, que vem sendo o responsável pelas crias azulinas desde fevereiro, a base do Leão está preparada para fazer bonito em tudo que estiver ao seu alcance.

“Mantemos o mesmo grupo que participou do Campeonato Paraense Sub-17, para que o entrosamento dos atletas continuasse e que fossem se adaptando às novas táticas. Estamos formando um grupo extremamente competente e com objetivos traçados desde o começo do ano. Todos eles têm um sonho de se profissionalizar e essa vontade tem dado ânimo para todos”, destacou o comandante.

Revelando ao menos 2 jogadores por ano, mas que embora não sejam tão utilizados no elenco profissional, Raimundo acredita que cerca de 5 jogadores, apesar da pouca idade, já estão aptos para subirem ao time principal.

“A base do Remo, hoje, é a melhor base do Estado e não falamos isso à toa. Nos últimos anos, fomos o clube que mais revelou e exportou jogadores. Nesse ano, por exemplo, realizamos trabalhos que amadureceram nossos atletas de forma rápida e consistente. Temos em nosso grupo jogadores muito habilidosos que, sem dúvida, já dão conta do recado”, afirmou Raimundo.

Se essa nova geração de jogadores da base do Clube do Remo é considerada diferenciada, muito desse contraste está ligado às ambições dos jovens com o Leão. Buscando a profissionalização e o desejo de seguir carreira no esporte, no entanto, as crias remistas corroboram um pensamento que parece estar cada vez mais em falta no mercado futebolístico atual: o amor à camisa.

Dessa forma, mesmos preteridos em certos momentos, os jovens garantem que são os únicos que jogam por amor, independentemente da situação do clube.

De acordo com uma das promessas dessa safra, o atacante Wallace Moraes, de apenas 16 anos, o Remo, hoje, precisa privilegiar as crias ao invés de investir em jogadores que não sabem da imensidão do clube.

“O professor Raimundo vem nos ajudando muito para nos formar como atletas. Procuramos atender todos os pedidos dele, mas mesmo assim o Remo ainda precisa investir em um planejamento na base, pois jogamos com amor à camisa. Diferente dos jogadores de fora, que vem para cá e não priorizam mais isso, mas sim status. No momento, o clube não precisa disso”, disse o jovem atleta, já pensando como gente grande.

Wallace é um dos jogadores que fizeram boa campanha no Parazão Sub-17, marcando 24 gols, o que ajudou a ser promovido ao Sub-20. Na nova categoria, o jovem continua mostrando o faro de artilheiro, onde já balançou as redes por 5 vezes, sendo o artilheiro do time na competição. Para ele, isto está no sangue.

“Espero fazer história no Remo, assim como meu tio, que foi campão brasileiro em 2005 com o clube”, disse Wallace, que é sobrinho do ex-zagueiro azulino Magrão.

Outro que vem chamando a atenção dos supervisores da base e é um dos cotados para fazer a pré-temporada com o profissional, é o também atacante Hélio Borges, de 17 anos. Segundo o jovem, a vontade de ajudar o Leão tira a possibilidade de atuar em qualquer outro clube.

“Nunca comentei isso com ninguém, mas meu sonho é me consagrar no Remo, como os jogadores que ficam a carreira toda em um só clube. Acredito que a base é o futuro e que temos tudo para ajudar nosso time. Se precisarem de mim, vou dar o meu máximo, pois venho me dedicando para isso”, disse o jogador.

Com uma safra altamente qualificada, a comissão técnica das categorias de base do Remo vem apresentando planos para a evolução de cada jogador, de forma individual. Trabalhando tanto o quesito físico quanto o psicológico, os responsáveis pelos jovens acreditam que a mentalidade dos garotos é o que mais precisa ser destacado, justamente para que o lado “atleta” não seja abalado.

No entanto, apesar dos cuidados, algo irrefutável, em termos de estrutura, acaba afetando a equipe: a falta de competições oficiais. Segundo Raimundo, desde o começo do ano, o Campeonato Paraense Sub-20 é a primeira competição oficial que os jovens disputam. Assim, além dos treinamentos táticos e técnicos, as movimentações de jogos basicamente foram feitas de forma amistosa, pelo interior do Estado. Essa carência de um calendário prolongado com a garotada prejudica muito o desenvolvimento dos trabalhos.

“É complicado você se dedicar durante todo o ano para disputar uma competição. Treinar é uma coisa, jogar é outra. É por isso que quando os jovens sobem, alguns demoram a ‘engatar’, porque ainda não estão habituados em competições. Eles geralmente amadurecem com 24 anos, depois de 1 ou 2 temporadas. Por isso que nesse ano não ficamos parados e fomos atrás de nossas próprias competições”, detalhou Raimundo.

Para o atacante Jayme, uma das revelações do Leão e que fez sua estreia no time profissional em 2011, aos 18 anos, a base precisa de um conjunto de fatores para manter o nível, independentemente do clube.

“Digo, por experiência própria, que os jogadores da base, de qualquer time, são os mais cobrados. Se a gente faz um jogo e não vai bem, muitos criticam e pedem a saída, mas é preciso entender que nessas horas a gente precisa é de mais apoio”, disse o atacante que, após retornar ao Remo neste ano, conseguiu fazer uma boa temporada.

Principais “promessas” azulinas para 2018

Kevin – zagueiro
Gustavo Henrique – lateral-direito
Hélio Borges – atacante
Wallace Moraes – atacante
João Luiz – atacante

Diário do Pará, 07/10/2017

Deixe uma resposta