André Cavalcante
André Cavalcante

Dia 10/11 é a data que, conforme o estatuto do Clube do Remo, ocorrerá a eleição que irá eleger o novo presidente para os próximos 2 anos. Restando 3 meses para o pleito, pré-candidatos ao posto máximo azulino começaram a articular suas campanhas em direção de novas políticas para ascensão da instituição.

Na tentativa de proporcionar aos sócios com situação regular de voto, a partir deste domingo (02/09), se inicia uma série de materiais com os postulantes à presidência azulina. Alguns tópicos relacionados às principais pautas de propostas serão fixados para que ocorra um padrão de exploração entre as sugestões, planos e argumentos entre os pares.

Por ordem alfabética, o primeiro a participar da roda de conversas é o advogado André Cavalcante, 47 anos, que já exerceu a função de presidente azulino em 2016, em um mandato de apenas 9 meses. Criticado por uns e elogiado por outros, o nome de André tem tido boa receptividade pelas redes sociais.

Dentre as propostas, Cavalcante destaca o planejamento em cima de 8 pilares: futebol, administração, tecnologia da informação e finanças, patrimônio, relacionamento com associados, comunicação institucional e imprensa, comercial e marketing, esportes olímpicos e amadores, além de projetos estratégicos.

Para André, caso ganhe nova chance de gerir o clube, tentará usar dos erros como aprendizado, além de dar sequência em planejamentos que estagnaram no tempo.

“Foram apenas 9 meses de gestão. Claro que tivemos erros, quem não está sujeito a eles? Mas, certamente, tivemos muito mais acertos, não só com o objetivo maior, que era a adesão ao Profut que, de imediato, excluiu da dívida fiscal do clube aproximadamente R$ 8 milhões, como em todos os outros aspectos do Remo. Infelizmente, o projeto foi prematuramente interrompido. Agora, precisamos recuperar o tempo perdido e, especialmente, defender nossas conquistas”, pontua o presidenciável.

Confira a seguir o que pensa André Cavalcante:

Futebol

Praticamente tudo no Clube do Remo gira em torno do futebol, o que impõe uma atenção especial por qualquer um que queira galgar ao cargo máximo do clube. No futebol, trabalharemos em 3 frentes: profissional, amador (base) e feminino. A partir daí, buscaremos dotar o futebol com a estrutura necessária para desenvolver as atividades com eficiência, dando ênfase ao Departamento Médico e treinamentos. Os objetivos serão escalonados e priorizaremos o tão sonhado acesso a Série B, a formação de atletas e a montagem de um time feminino competitivo.

Contratações

Tivemos 2 anos ruins na Série C, mas uma coisa boa aconteceu, mesmo que por imposição das circunstâncias, que foi a ascensão do (técnico) João Neto, o Netão. Isso facilita muito a transição no futebol, já que acreditamos que ele é unanimidade para comandar o time profissional em 2019. Já conversamos com o Netão e sabemos da sua proposta em dividir o elenco em atletas da base, regionais e de fora. Montamos um excelente banco de dados com atletas que atuaram nas Séries B, C e D do Campeonato Brasileiro 2018. Vamos debater os nomes, avaliar, pesquisar os prontuários médicos e fichas disciplinares para minimizar a margem de erro.

Marketing

O marketing será um dos pilares nesta nova gestão. O clube precisa aumentar sua arrecadação e, para isso, novas estratégias comerciais serão iniciadas, o que exige um marketing atualizado e proativo. Citaremos ações que buscaremos implementar, em especial em torno da volta do Baenão. Para todas elas, o marketing terá papel fundamental. Ainda temos todas as ações que já são realidades no clube, como o sócio-torcedor e lojas. Em qualquer ramo de atividade, o “benchmarking” – busca de melhores práticas – é indispensável.

Sócio-torcedor

O programa de sócio-torcedor, tão maltratado, é um dos principais ativos do clube. Fui diretor do programa em seu melhor momento, quando chegamos a ter quase 10 mil associados adimplentes e posicionar-nos entre os 10 maiores do ranking do “Movimento Por Um Futebol Melhor”. Precisamos promover uma ampla reestruturação no programa, em especial pela iminente reabertura do Baenão. Concomitante a isso, precisamos discutir uma tendência que vem se mostrando exitosa em varios clubes: dar aos sócio-torcedores o direito ao voto nas eleições do clube, com condicionantes como, por exemplo, não poder ser votado e permanecerem adimplentes ininterruptamente por 2 anos seguidos antes da eleição.

Patrimônio

Em 2016, avançamos bastante na recuperação do nosso patrimônio físico, com destaque para a reforma no Ginásio Serra Freire, intervenções na Sede Social e no Baenão, com a retomada da posse do Carrossel, reforço estrutural das arquibancadas, nova sala de imprensa e reforma dos quartos da Toca e a reforma completa do ônibus que estava sucateado. Nesta nova gestão, além do patrimônio físico, onde daremos ênfase para o desenvolvimento de um plano diretor para as sedes, vamos trabalhar o patrimônio imaterial, valorizar nossa memória. Outra frente será buscar dar destinação econômica ao patrimônio como, por exemplo, cobrança do estacionamento da sede, transformar o salão nobre em um espaço multiuso, etc.

Financeiro

Será com controle total. Iremos concluir o “Sistema de Gestão”, que começamos a desenvolver em 2016, implementando o “Caixa Único” para todas as entradas do clube. Com base na nossa longa experiência no setor público, vamos estabelecer os métodos e procedimentos e criar o “Controle Interno”, para avaliar todas as operações financeiras, em especial os pagamentos antes da sua efetivação. O Financeiro caminhará em consonância com as determinações do Conselho Fiscal (Confis), para que não tenhamos problemas com as prestações de contas nos prazos estatutários. Ademais, a transparência terá prioridade total.

Reforma do Baenão

O Baenão é imprescindível para o êxito de boa parte das estratégias que desenvolvemos para o clube e, por isso, será prioridade absoluta na nossa gestão. Com base no levantamento apresentado pelo projeto “Retorno do Rei”, precisamos ter perto aproximadamente R$ 700 mil reais já no primeiro dia após a eleição, pois os trabalhos precisam iniciar visando cumprir os prazos de vistoria e liberação do estádio para o Campeonato Paraense. Para isso, estamos trabalhando na prospecção de ações que dotem o clube de negócios capazes de viabilizar tal recurso.

Futebol de base

Chega a ser clichê dizer que precisamos valorizar nossa base, pois isso é óbvio. Sou adepto da filosofia que a base, além de um celeiro para o time principal, é um dos principais ativos do clube no referente a venda de atletas. Recentemente, vimos alguns dos maiores clubes brasileiros vendendo atletas que mal chegaram ao profissional, como Flamengo (RJ), Vasco (RJ), São Paulo (SP) e Santos (SP). A base do Remo sempre revelou bons atletas, o que precisamos agora é primeiro, melhorar a prospecção de atletas e, segundo, preparar esses valores para municiar nosso time e gerar caixa para o clube, mas isso só acontecerá com um forte trabalho de inserção no mercado.

Esportes olímpicos

Para essa nova gestão, vamos buscar a autossustentabilidade desses esportes. Teremos “Fábricas de Leões”, marca criada e registrada em 2016, para todas as modalidades (escolinhas) e desenvolveremos projetos de marketing de patrocínio específicos. Manteremos a padronização na uniformização e buscaremos parcerias para demais necessidades. Afinal, o Remo e muito mais que um time de futebol.

Diário do Pará, 02/09/2018

7 COMENTÁRIOS

  1. Infelizmente acho que a resposta sobre como vai gerir o futebol deixou a desejar no quesito detalhar as informações. Pose ser que a reportagem não dê tanto espaço pra fazer isso.
    Seria bom que os candidatos apresentassem seu plano de gestão.

  2. Isso aí conseguiu ser mais prejudi iam ao Remo que o Pirão. E olha que o mandato dele foi só de 9 meses (imagine). Me arrependo até hoje de não ter tirado um print. Pois fiquei muito puto na hora que vi no face dele ele quando tinha acabado de afundar o São Raimundo de Santarém onde foi diretor (nessa época zombou de nós falando que o Remo tinha medo do São Raimundo). Sim galera usando a camisa Mucura e o comentário da Foto era “meu Pap… só coração e o melhor do Norte”.

    Me pergunto agora. É esse lixo que vocês querem de novo na presidência do nosso amado clube?

    • Ele foi pior que o Pirão?! O Remo paga quase 100 mil por mês a FPF a 4 anos graças a esse pseudo-dirigente(destruiu o Baenão), deve o Eduardo Ramos até hoje e tem um caminhão de jogadores que jogou o Remo na justiça por falta de pagamentos na gestão desse cara, graças a isso aumentou a dívida do Remo na justiça do trabalho

  3. Ja vi q são os mesmos lizos de sempre, vc não merece ser dirigido por um bando de amadores lizos meu LEÃO.

    • Amigo, não fique esperando um rico cair do céu para investir no Clube do Remo, isso não existe! Além do mais que empresário ou grupo de empresários vai querer investir num Clube que tem fama de mau pagador?! O que o Remo precisa é de um bom gestor, uma pessoa de boa índole e que saiba tirar do “papel” suas ideias, e é muito importante que entenda de futebol também, caso contrário ficaremos igual ao vizinho que não sabe contratar

  4. Achei interessante a Proposta em relação ao Financeiro, as pessoas tem a mania de criar paradoxos para levantar dúvida. Os assessores do Presidente na área contábil tem que saber justificar estes paradoxos. O Condel sabe que o leão é uma Familia, bons assessores sabem fazer boa Gestão, de forma que a Prestação do Presidente não precise ser aprovada com ressalvas. Como o Leão é uma Familia a compreensão e o raciocínio Lógico devem andar Juntos, Dentro de uma Família o raciocinio lógico aperfeiçoa, corrigi ou evita falhas.

Comments are closed.