Campeonato Brasileiro Série C
Campeonato Brasileiro Série C

Como ocorreu em 2019, os 3 clubes do Norte devem ser remanejados para o Grupo B da Série C na edição 2022, ficando ao lado de equipes do Sul e Sudeste.

Ainda falta a confirmação oficial, que será conhecida na reunião prevista para quinta-feira (06/01), na sede da CBF, quando os dirigentes dos clubes irão discutir a formação dos grupos e avaliar uma sugestão de adotar o sistema de pontos corridos.

A CBF e os participantes da edição deste ano ainda precisam resolver o impasse da formação dos grupos. Na lógica da regionalização das chaves, há um desequilíbrio entre os dois lados, com 13 clubes do Norte, Nordeste e Centro-Oeste e mais 7 das regiões Sul e Sudeste confirmados para as disputas.

Este cenário, deve fazer com que os 3 clubes do Norte – Remo, Paysandu e Manaus (AM) – sejam deslocados para o Grupo B. Caso seja adotado o critério de 2019, os grupos ficarão assim definidos:

Grupo A

ABC-RN
Altos-PI
Aparecidense-GO
Atlético-CE
Campinense-PB
Confiança-SE
Botafogo-PB
Ferroviário-CE
Floresta-CE
Vitória-BA

Grupo B

Botafogo-SP
Brasil-RS
Figueirense-SC
Mirassol-SP
Manaus-AM
Paysandu-PA
Remo-PA
São José-RS
Volta Redonda-RJ
Ypiranga-RS

Blog do Gerson Nogueira, 03/01/2022

10 COMENTÁRIOS

  1. A adoção de um sistema de “pontos corridos” seria mais justo e competitivo. Além do uso do VAR, que traria credibilidade à disputa da Série C, em 2022.

    • Do jeito que anda a arbitragem no Brasil, o VAR não passa credibilidade nem nas séries A e B. Ou você não lembra o que aconteceu com o Remo nos jogos contra Brusque e Confiança, por exemplo… O VAR é piada no Brasil kkkkkkk

  2. Seria muito mais fácil colocar no grupo B: Aparecidense, Confiança e Vitória, só invés de Remo, Manaus e Mucura. A logística ficaria muito melhor para os dois times que estão mais ao sul da região Nordeste e o Aparecidense na região Centro-Oeste.

    • A questão da logística não é definida por distâncias geográficas, mas (principalmente) pela malha aérea.
      Para ir jogar no Nordeste, o Remo geralmente pega um voo que faz conexão em Brasília ou São Paulo, depois volta.
      Se você for pesquisar uma viagem para a mesma cidade, com certeza vai optar pela mais curta, com menos conexões, etc. Porém, as viagens que os clubes fazem no Brasileirão são compradas através de uma agência de viagens credenciada junto a CBF, que escolhe os voos em que o custo é mais baixo, já que é a CBF que banca tudo.
      Para ir para Fortaleza, a gente vai direto, mas a CBF coloca o Remo em um voo para Brasília e depois Fortaleza.
      Por esse ponto de vista, a logística para é muito melhor para ir pro Sul-Sudeste, que já fica mais perto da metade do caminho, do que para o Nordeste.

  3. Eu só me preocupo com duas coisas …..
    Ó time que o nosso gloriosso clube do remo vai montar pra encarar esses times do Sul que são nojento enjoados, só não quero como torcedor passar vergonha com um time fraco apanhando de todo mundo.
    Outra coisa vamos jogar de estádios CHEIOS e já foi provado que o remo não sabe jogar de estádio cheio por causa da cobrança da torcida ,, isso eu me preocupo.

  4. Desde quando os times de menos prestígio das regiões Sul e Sudeste do Brasil tem torcida? Ao meu ver vai ser melhor nessa primeira fase não enfrentarmos os times do Nordeste!! E Nós temos ainda é que parar de frescura e mi mi mi e lotar as arquibancadas de todos os jogos do Leão em 2022!!!

  5. Grupo B tá muito forte, à um desequilíbrio imenso entre os dois grupos se comparar os times.

  6. Daí a gente vê que único representante Paraense na CBF, não faz nada pelos clubes de seu estado. E olha que ele já foi presidente da entidade.

Comments are closed.