Atlético-MG 2×1 Remo (Igor Fernandes)
Atlético-MG 2×1 Remo (Igor Fernandes)

O jogo decidia uma vaga na Copa do Brasil, mas até o mais otimista dos azulinos sabia das dificuldades para superar um adversário mais qualificado e em vantagem.

Em campo, o Atlético (MG) confirmou o favoritismo, mas o Remo jogou o suficiente para sair com o empate. A chance de igualar o placar veio em um pênalti, desperdiçado por Felipe Gedoz, quando a equipe azulina ensaiava impor pressão final para reverter o placar.

Foi uma atuação razoável, com erros pontuais e algumas boas ideias ofensivas. O aspecto positivo foi a troca de passes e a insistência em verticalizar o jogo, fugindo às características de um time que aprecia os passes laterais. As coisas funcionaram bem pelo lado direito, com Thiago Ennes e Dioguinho, mas enfrentou embaraços na esquerda, onde Igor Fernandes estreava e fazia dupla desafinada com Jefferson.

A marcação alta no começo pressionou e surpreendeu o Atlético (MG). O problema é que, logo na primeira investida mais forte, o Galo chegou ao gol, utilizando uma jogada manjada: escanteio cobrado fechado para desvio do zagueiro Rever. A zaga não atentou para a manobra e a bola entrou rente ao travessão, aos 9 minutos.

Apesar do impacto do gol, os azulinos seguiram insistiam com passes curtos para abrir espaço. Lucas Siqueira comandava a transição, mas Gedoz destoava, excessivamente lento. A zaga ficava exposta, com Rafael Jansen e Romércio forçados ao combate direto a Hyoran, Keno e Hulk.

Por conta disso, o Leão sofreu sustos seguidos e tomou 3 bolas na trave em 4 minutos, dos 32 aos 36 minutos. A primeira com Keno, que recebeu livre entre os zagueiros e tocou no poste esquerdo de Vinícius. Thiago Ennes tentou desarmar e mandou no mesmo poste abençoado. Logo em seguida, Nacho testou de cabeça e a bola estourou – também – na mesma trave.

Eram situações que refletiam a superioridade do Atlético (MG) e expunham a fragilidade do sistema defensivo do Remo. Sem marcação forte à frente da zaga, o Leão correu riscos constantes. Quando assumia postura ofensiva, a movimentação era interessante e produzia boas situações.

Quase ao final, após boa tentativa azulina em bola aérea, Keno saiu tocando errado. Atento, Romércio pegou o rebote, ajeitou a bola e mandou um foguete no canto esquerdo da trave atleticana. Um golaço!

A animação pelo empate acabaria frustrada logo aos 5 minutos do segundo tempo. Bola cruzada da esquerda por Nacho atravessou a área do Remo e, quando Rever tentava fechar pela direita, foi agarrado por Rafael Jansen. As imagens da TV mostraram, na origem do lance, que estava Rever ligeiramente à frente, em impedimento. Hulk cobrou e desempatou.

O Remo tentou se recompor, mas o cansaço que normalmente se abate sobre o time começou a cobrar seu preço. Aos 25 minutos, Paulo Bonamigo fez 3 substituições – trocou Jefferson por Gabriel Lima, Renan Gorne por Edson Cariús e Igor Fernandes por Marlon. Investiu no ataque, mas manteve o desgastado Gedoz.

Só na segunda janela, o técnico substituiu Anderson Uchôa por Arthur – que entrou mal e errando passes – e Thiago Ennes por Wellington Silva.

Quando o jogo se encaminhava para o fim, Dioguinho investiu pelo meio e a bola foi rebatida no braço do volante Jair. Gedoz bateu o pênalti e Everson defendeu com o joelho. O empate seria um prêmio ao esforço do Leão, mas não faria justiça à melhor apresentação do Galo.

No geral, o Remo teve atuação digna e competitiva, apesar da desvantagem estabelecida no jogo de ida. Romércio, Igor Fernandes, Lucas e Dioguinho foram os destaques, tanto pelo esforço quanto pela execução de jogadas. Anderson Uchoa, Felipe Gedoz e Jefferson ficaram abaixo dos demais.

Blog do Gerson Nogueira, 11/06/2021

17 COMENTÁRIOS

  1. Em quanto o Uchoa ficar assistindo o jogo de dentro do campo, a defesa vai ficar mais exposta e o Lucas Siqueira com o Gedoz irão se desgastar e não render o que podem.
    Remo precisa urgente de um Volante marcador, mas que saiba jogar também.

    • O Uchôa joga igual a um veterano em atividade, só tocando a bola para o lado. O Remo precisava de um volante cão de guarda no meio campo, talvez fosse o caso de tirar o Jefferson e colocar mais um no meio. Precisamos de uma meia para poder substituir o Gedoz, que quando cansa só quer ficar fazendo firulas em campo.

  2. O time do Remo mostrou na Copa do Brasil que está adequado para a Série A2.
    Ué, mas como assim?

    Simples. O adversário na 3ª fase da CdoB está num nível superior ao do LEÃO.

    Os confrontos serviram para deixar isso bem claro. Porém, serviram também para posicionar o Clube do Remo, na Série A2, como um time intermediário.

    Certamente, haverá equipes que se apresentarão, em alguns momentos, mais consistentes que os Azulinos. Mas, muitas serão inferiores.

    Assim, o LEÃO AZUL tem todas as possibilidades de realizar uma excelente campanha.

  3. Mas um teste que teve o time do Remo. Não vejo aonde o Bonamigo viu algo de bom. Continuam jogando mal: Jansen, Gedoz não evolui só pose, está pedindo banco, mas quem entra? cabeça de área lento, meia lento, coitados dos atacantes que não vão receber bola nunca. Contratamos mal mais uma vez.

    • Palavras do Gerson Nogueira: “Sem marcação forte à frente da zaga, o Leão correu riscos constantes. Quando assumia postura ofensiva, a movimentação era interessante e produzia boas situações”. As mesmas conclusões chegou o comentarista do canal Premier, acho que o Paulo Nunes, salvo engano. Então, fica claro, aliás muitos torcedores, inclusive eu, já disseram aqui, que o sistema defensivo do Remo fica fragilizado com o Uchôa lento e sem pegada, marcando longe os meias adversários. Parece que está com medo de uma recidiva da contusão que têve, não corre, apenas trota, não ataca a bola, desarma quando a bola cruza pela posição que opta por ocupar no campo e que não sai dali. A defesa do Remo foi a menos vazada na série C até aquela jogo atípico pelas circunstâncias contra o Vila Nova. Mudou do paraense para cá foi que se tinha um outro volante e agora é o Uchôa. Podem colocar o zagueiro que quiser que o problema permanecerá. Outro trecho do Gerson: ” A zaga ficava exposta, com Rafael Jansen e Romércio forçados ao combate direto a Hyoran, Keno e Hulk”. Então é isso, esse é um ponto de notória fragilidade que precisa ser corrigido.

  4. Como opção de mudança num jogo mais defensivo, poderia o Lucas Siqueira jogar no lugar do FG, que sempre se posiciona atrás. Pelo menos o Siqueira pisa na área, onde o nosso meia pouco aparece. Atrás dois volantes de mais pegada: Curuá e Arthur, pois esse último mescla com uma melhor saída. É uma opinião. Vamos Leão.

  5. Mais uma vez o Gedoz não teve competência para converter o pênalti e o bom amigo nem tira ele do time tá de brincadeira ele não consegue jogar os dois tempos tá muito fraco encerrando muitos passes precisa contratar um meia de qualidade para revezar com o Gedoz quando ele cansar.

  6. Aos modinhas de plantão, o Atlético se quisesse goleava o remo. O cuca pelo respeito ao clube do remo, sem dúvida pediu aos seus jogadores tirarem o pé. Isso foi nítido. Então não me venham com essa de que jogou de igual com o Atlético. O remo não fez nada , não jogou nada, sem vontade sequer , sem.vontade de vencer , de ganhar , jogadores estrelinhas , time terrível em campo. O Atlético fez o que bem quis. Pq o crb , Juazeirense, vitória se classificaram contra times também de série A, de libertadores , assim como o Atlético? A diferença para quem viu os jogos, foi que vimos vontade de vencer, sem estrelinhas , brigando, correndo , tudo que não vimos no remo, como se todos fossem os craques, estrelas .

  7. Acho que falta os volantes ter mais pegada, garra disposição, ficam só cercando o adversário, principalmente o Uchôa, o Bonamigo tem que mudar de atitude ou jogadores, ta nítido que precisamos reforçar a marcação no meio, o coração do time é o meio campo, também não tô entendendo as substituições do Thiago Enes nas partidas, sem motivo essas substituições!

  8. Que curua e Artur nada pó, esses cara treme , o Artur entrou tão nervoso contra o atlético que não sabia nem o que faser com a bola. Fazia era entregar a bola. Esses cara não tem condições tem que rodar mais pegar experiência o remo tá jogando e série B e não serie d. É minha opinião se eu fose o treinador eu não botava nem contratava…saudações.

  9. Se o Bonamigo mudar esse esquema falido 4-3-3 para um 3-5-2 ele fortalece os 3 setores do campo ao mesmo tempo.
    A zaga fica com mais 1
    O meio fica com 5 marcando
    Os laterais vão apoiar mais e ter cobertura
    O Ruimdoz vai jogar mais próximo dos atacantes
    E os atacantes irão receber mais bolas para finalizar.
    Bonamigo se modernize ou pega o dvd do jogo contra o Atlético e veja como o time do cuca em 4 toques chega no ataque e jogando em um 4-4-2.

    • Finalmente um Comentário onde concordo ctg, Gedoz precisa jogar mais perto dos atacantes sem preocupado pra voltar pra marcar, como É.R fazia, isso o ajudou fazendo gols e trazendo resultados positivos no início da serie C do ano passado. Uchou tem que dar mais o combate, muito sumido em questão de marcação . A zaga tem que ser o Keven e Romercio, o Jansen se posiciona muito mal, muito fora do tempo. Ele pode jogar se o esquema for com 3 zagueiro, caso ao contrario poderia pegar um banco

Comentários