Fábio Bentes
Fábio Bentes

Fábio Bentes concedeu longa entrevista para abordar principalmente 3 questões que permeiam o ambiente azulino nos últimos dias – a compra de um terreno para a construção do Centro de Treinamento do Remo, o desbloqueio de cotas na Justiça do Trabalho e novas contratações visando a Série B.

Além do atual CT do Carajás, que está à venda, o presidente remista citou outros 2 locais observados pelo clube. A avaliação, segundo Bentes, precisa ser muito criteriosa já que se trata de um investimento alto e de longo prazo.

“Ainda estamos negociando. Existem algumas áreas interessantes. Além de lá (CT do Carajás), tem uma área na BR e uma em Águas Lindas que verificamos. Têm algumas possibilidades, não está nada decidido, não houve nenhum tipo de acerto e nem de valores, até porque a gente ainda não decidiu qual é o local, mas queremos, até o meio do ano, ter uma definição”, afirmou.

“Estamos fazendo isso com toda a paciência e cuidado, até porque fechar um CT não é como fechar com um jogador, que amanhã vai embora e pronto. Fechar um CT é uma coisa para a vida, então tem que pensar lá na frente. Tem que pensar no hoje, mas tem que pensar na perspectiva de crescimento, aonde que isso pode chegar”, completou Bentes.

A construção do CT do Leão já estava nos planos na atual diretoria, mas o projeto pôde ser adiantado graças à classificação para a 3ª fase da Copa do Brasil, que rendeu a premiação de R$ 1,7 milhões da CBF.

Como o Remo possui o bloqueio de cotas na Justiça do Trabalho, o Departamento Jurídico azulino entrou com o pedido de liberação de parte do valor, que servirá para dar entrada na compra do terreno.

“Para dar entrada na compra do CT, precisávamos de um dinheiro extra. Como estamos sem público, não tínhamos atualmente uma perspectiva de receita para isso, mas calhou que passamos pelo CSA (AL) e definimos, em conjunto com o elenco, que parte do custo dessa passagem seria investido no centro de treinamento. Nossa ideia é pegar uma parte do valor dessa 3ª cota da Copa do Brasil, dar entrada no Centro de Treinamento e parcelar o restante dentro do nosso mandato, dentro das nossas possibilidades. Isso já está sendo feito e negociado”, detalhou.

Em paralelo às negociações do CT, a diretoria continua no mercado à procura de reforços para a Série B. O sistema defensivo está na programação do clube.

“Já tem algumas peças de posições carentes que estamos com pré-contrato assinado, só que a gente tem que ter paciência de anunciar isso na hora certa. Não adianta ficar aqui especulando nomes e posições porque muitas vezes isso atrapalha as negociações, mas o torcedor pode ter tranquilidade que a gente tem consciência das deficiências do elenco. O torcedor precisa analisar o futebol de uma forma mais ampla, muitas vezes a bomba estoura lá na zaga, mas o erro foi na marcação lá na frente. Hoje, os 11 têm que marcar”, explicou o presidente.

Confira outros trechos da entrevista:

Projeto do centro de treinamento

Já estava no planejamento. Quando a gente assumiu o Remo, foi com algumas metas esportivas e algumas metas do ponto de vista de infraestrutura. A gente não consegue desassociar a parte de estrutura da parte de resultados esportivos. Uma coisa está ligada a outra. Quanto melhor a estrutura, melhor vai vir o resultado esportivo, com certeza.

Processo de reestruturação física do clube

Definimos algumas metas, entendemos que cada coisa teria que ser feita de uma vez e começamos a trabalhar da seguinte forma: primeiro, achávamos que tinha que reabrir o Baenão. Abrimos. Depois definimos que precisava criar e estruturar o Núcleo Azulino de Saúde e Performance, o NASP, e montamos com toda a estrutura, academia. Depois, a gente entendia que precisava iluminar o Baenão, para poder fazer jogo em qualquer horário, até porque sabíamos que o Mangueirão iria fechar para reforma. Iluminamos. Lançamos agora a segunda etapa do NASP, que está rolando em paralelo, estamos construindo uma sala de pilates, um consultório odontológico e outras melhorias na estrutura do Baenão. Depois, definimos que precisávamos avançar em um Centro de Treinamento. Já vinha falando sobre essa perspectiva há mais ou menos um ano e meio.

Exigência da CBF para não treinar no Baenão

A questão do treinamento é importante, a gente sabe que não se pode treinar no campo que se joga, mas existem outras opções. Já existem 2 locais que se revezam para treinamentos e isso já atende à necessidade da Série B, mas a gente quer um local nosso. Tenho certeza que vai ser um ganho estrutural muito grande para o clube.

Bloqueios na Justiça do Trabalho

Desde 2015 foi feito o acordo na vara centralizada do Trabalho. Com alguns atrasos e atropelos, de lá para cá esse acordo vem sendo honrado e a dívida vem diminuindo. O que vinha acontecendo até 2018: o Remo pagava em torno de R$ 4 milhões de dívidas trabalhistas, mas demitia jogadores e gerava outros R$ 4 milhões, então a gente “trocava” a dívida. Quando assumimos, conseguimos ter redução real nessa dívida, porque não entraram novos processos. Entraram, na verdade, muito pouco e ainda era de coisas antigas (gestões anteriores), então conseguimos ter uma redução real, de tal forma que hoje temos a perspectiva de zerar a dívida trabalhista no final de 2022. Zerar só a trabalhista, ainda existem outras dívidas do clube. Conseguindo isso, a gente vai ter muito mais facilidade.

Desbloqueio de premiações e orçamento para a Série B

Todo ano já era previsto de onde viriam os recursos para pagar os valores que estavam encaixados. Então, quando entra dinheiro novo no processo, não é porque é novo que seria desbloqueado. Esse é o nosso entendimento, até porque ele não está previsto para nada. Então foi feito um pedido, uma negociação. O juiz analisou e deferiu o pedido do Remo. Agora está em fase recursal, pois obviamente toda decisão do juiz é passível de recurso e estamos aguardando, mas entendemos que a nossa tese deve vingar, teremos o recurso liberado e poderemos ter o planejamento. Hoje, nossas definições da Série B ainda estão pendentes por causa disso, porque precisamos ter a segurança de qual recurso vamos ter. Ainda não podemos contar com bilheteria, não se sabe quando vai voltar o público. Estamos vendo que o ritmo da vacinação está mais lento do que era imaginado no início do ano e só vamos conseguir ter público quando a vacinação avançar. Então estamos contando com isso (cotas) como principal recurso e as ações de marketing, mas elas não são suficientes para uma folha de Série B. Estamos então nessa situação: contando muito com essa liberação e com o programa de sócio-torcedor que foi lançado.

Novas contratações

Temos 7 no nosso radar, já trouxemos 2 jogadores. Erick (Flores) é um reforço que a gente já vinha namorando há algum tempo, tem uma experiência de trabalho com o (técnico Paulo) Bonamigo, que inclusive falou muito bem do extracampo dele. Teve uma carreira atribulada, mas hoje está mais maduro, a gente foi buscar referências. Tem plenas condições de ajudar a gente. É importante ter um grupo de 20 jogadores em alto nível em condições de jogar. Conseguindo ter esses jogadores, completamos o grupo com a molecada que está subindo e que tem se desenvolvido bem junto com o Bonamigo.

Saídas

Se chegar um jogador para uma posição, vai ter que sair outro, se não a gente superlota o elenco e acaba atrapalhando. Nosso projeto para a Série B é de 2 grades de 10 jogadores de linha e 3 goleiros em um nível bom, que a gente já tem e não vai trazer mais, já são 23. Para completar o grupo de 30, jogadores de posições variadas, mesclando atletas regionais com jovens valores. Conseguiremos montar um grupo de 30, que julgamos ser o necessário.

Estamos trabalhando em paralelo. Obviamente que alguns jogadores vão sair, outros vão entrar. Isso vai ser tratado a nível de diretoria, sem deixar interferir no grupo nem no elenco.

Interesse em Paulo Curuá e Danrlei

São bons valores do futebol paraense, assim como outros. Tivemos uma primeira fase muito competitiva do campeonato. Os times, considerados pequenos por muitos, mostrando que dava para jogar de igual para igual. Fizemos jogos muitos difíceis com esses clubes e, obviamente, a gente vem observando os atletas que vêm se destacando. Há algumas negociações em andamento, não vou citar nomes para não atrapalhar o processo, mas a gente, historicamente, aproveita 1 ou 2 jogadores do Campeonato Paraense. Uns dão certo, outros não. Dioguinho foi isso, e é inclusive o nosso artilheiro na temporada e diria que um dos principais jogadores do elenco.

Meta para o Campeonato Brasileiro

A Série B é o nosso principal projeto esse ano. Vamos montar um time para ficar no meio da tabela, esse é o nosso objetivo. Agora, o futebol não é uma ciência exata. Vamos montar um time para ficar no meio da tabela, o objetivo é a permanência na Série B, que há 13 anos não estávamos. Não adianta chegar aqui e falar para o torcedor que vamos montar um time para subir, que não é verdade. O primeiro objetivo é fazer uma Série B tranquila, para lá na frente pensar em voos maiores.

Globo Esporte.com, 30/04/2021

10 COMENTÁRIOS

  1. Parabéns presidente Fábio Bentes pela visão empreendedora, pela responsabilidade de gestão e por estar efetivamente reerguendo o gigante Clube do Remo.

  2. Pelo amor de Deus o que Lailson, carius e Gabriel Lima ainda fazem no elenco . O carius pode até estar em má fase mas os outros dois nunca jogaram nada, nem nível de campeonato paraense tem

  3. Quando existe uma gestão responsável há um reflexo natural e positivo de campo. É o que estou vislumbrando para nosso Leão no futuro. Por isso faço um questionamento: Quero cooperar com esse processo e preciso saber se a diretoria pensa nos torcedores, que como eu, moram fora de Belém mas desejam ser sócio-torcedor com um perfil, e valor de contribuição, diferenciado pois não querem, por não poderem, ter acesso aos estádios mesmo após a liberação.

  4. É inegável o senso de responsabilidade daqueles que dirigem os destinos do Filho da Glória e do Triunfo. O presidente Fábio Bentes, de forma tranquila, conseguiu unir os diretores e prol do objetivo principal: elevar cada vez mais o nome do nosso Glorioso Clube do Remo. Parabéns!

  5. Como sempre muito coerente na fala. Bentes obrigado por administrar nosso clube como uma empresa e não como sua empresa, como faziam os “mandatários anteriores”, que por sinal, deveriam ficar olhando de longe para não atrapalhar ou de perto para aprender.

  6. Parabéns! Nosso presidente tem se mostrado um verdadeiro remiste e ótimo administrador. Outro voo alto seria as Arquibancadas laterais com cadeiras e cobertura e os tobogãs também com cadeiras e cobertas. Nosso clima chuvoso exige. Assim teríamos uma Arena para 30 mil pessoas e não dependeríamos do mangueirão para grandes jogos.
    Confio em nosso Presidente. O Melhor da história do Clube.
    A Arena “Alcino – Negão Motora” ainda será uma realidade! Não custa sonhar!

  7. É inegável o zelo e a responsabilidade que a diretoria do Remo capitaneada pelo presidente Fábio Bentes dedica a administração do nosso glorioso Clube. Discreto em seus pronunciamentos delineia didaticamente o projeto em curso, Parabéns ao presidente e a sua equipe. Estamos juntos.i

Comentários