Paulo Bonamigo
Paulo Bonamigo

Paulo Bonamigo saiu de Belém em junho com a impressão de que não era uma despedida definitiva. Só não se imaginava que iria voltar tão cedo. Apenas 6 meses depois, ele já está de volta.

Quando partiu, estava desgastado por uma trajetória negativa na Série B. A derrota em casa para o Sampaio Corrêa (MA) foi a gota d’água e o próprio treinador tomou a iniciativa de pedir demissão.

A má jornada fez com que Bonamigo virasse o alvo das críticas, mas os dirigentes sabiam que o time estava apresentando problemas decorrentes da limitação individual de várias peças. Depois de sua saída, já com Felipe Conceição no cargo, a diretoria providenciou novas contratações e chegaram Victor Andrade, Matheus Oliveira, Jefferson, Raimar, Rafinha, Neto Moura e Neto Pessoa.

Se não podia fazer milagres com o grupo de jogadores à disposição, Bonamigo tinha responsabilidade sobre o rendimento coletivo da equipe. O Remo não mostrava coesão tática, havia perdido o principal trunfo da campanha na Série C, que era a exploração da velocidade pelos lados do campo. Bonamigo instituiu isso, mas não conseguiu reeditar na Série B.

Além dos maus passos no início do Brasileirão, o técnico tinha contra si o desgaste acumulado pela eliminação na semifinal do Parazão. Como se sabe, o Estadual é o torneio de menor importância no calendário azulino, mas tem grande valor para a torcida, que via a conquista como favas contadas.

Agora, Bonamigo volta para iniciar uma reformulação quase completa do elenco azulino para 2022. As condições são bem diferentes daquelas que encontrou no ano passado, ao chegar com a Série C em andamento, substituindo Mazola Júnior e encontrando um elenco já fechado.

A partir de janeiro, o Remo terá um grupo de jogadores bastante renovado e essas mudanças passam necessariamente pelas mãos de Bonamigo. Desta vez, ele trabalhará junto com um coordenador técnico (João Galvão) afeito às questões de campo. Não haverá mais a figura de dirigentes estatutários decidindo sobre o futebol.

Desde que deixou o Remo, Bonamigo não voltou a trabalhar. Dizia-se que estaria disposto até a encerrar a carreira, mas o convite feito pela diretoria remista nos últimos dias foi prontamente aceito. Ele volta ao Baenão para um 3º ciclo e disposto a repetir o feito de 2020, quando conquistou o sonhado acesso à Série B.

A tarefa é desafiadora, quase tanto quanto era há um ano, mas a diferença é que o trabalho será iniciado de forma natural, partindo do zero. A imagem vitoriosa no clube segue inabalável e é a maior credencial de Bonamigo. Em sua 2ª passagem pelo Remo, comandou o time em 46 jogos, com 22 vitórias, 13 empates e 11 derrotas. Um cartel respeitável.

Blog do Gerson Nogueira, 15/12/2021

6 COMENTÁRIOS

  1. Existe apenas um porém na estadia de Bonamigo durante 9 meses neste ano, ele não deu oportunidade aos garotos da base azulina Ronald, Curuá, Mafra isto é preocupante….

  2. Sou a favor da contratação do Bonamigo, mas também acho que ele não da muita oportunidade para os garotos ele prefere os mais experientes.

  3. Eu até agora não entendi porque o FB liberou o Wallace este presidente do Remo faz cada lambanças…..

Comments are closed.