Ricardo Luz
Ricardo Luz

Marcar um gol no futebol é sempre o grande objetivo dos jogadores. Muito mais ainda quando se trata de um clássico, como é o caso do Re-Pa.

Mesmo quem joga na defesa, que tem como primeira obrigação justamente evitar o gol do adversário, o desejo não deixa de existir. Que o diga o lateral-direito Ricardo Luz, do Clube do Remo, que em 12 partidas com o “manto” azulino ainda não conseguiu balançar a rede dos adversários.

O máximo que ele conseguiu até aqui, em Re-Pa, foi carimbar a trave bicolor no primeiro confronto com o maior rival. Além de quase marcar, o lateral de 25 anos também deu assistência para um dos gols do Leão. Agora, o defensor quer ir mais além, quebrando o tabu de ainda não ter deixado sua marca.

“Graças a Deus, comecei bem aquele clássico com vitória e ajudando meus companheiros com uma assistência”, lembrou.

“Espero poder ter a felicidade de novo de encaixar uma assistência ou mesmo marcar gol”, contou o jogador, que não escondeu sua ansiedade para festejar o primeiro gol com a camisa do Leão.

“Estou com uma expectativa muito grande em fazer o meu primeiro gol com a camisa do Clube do Remo”, revelou o lateral, que tem no atacante Hélio Borges um dos parceiros preferidos no grupo.

“A gente vem em um entrosamento legal. Desde que cheguei, estamos jogando juntos ali do lado direito, com um bom entrosamento”, falou Luz.

Apesar da vontade de balançar a rede no clássico, o jogador garante não estar se descuidando de sua primeira missão, que é marcar com eficiência o adversário pelo lado direito da defesa azulina.

“O lado esquerdo deles é muito forte, então nosso time precisa estar bem preparado”, salientou.

Questionado se uma vitória do Leão diante do maior rival poderá embalar o time no restante do campeonato, o lateral foi cauteloso ao responder.

“Ainda é muito cedo. Faltam 5 rodadas, mas sabemos a importância desse jogo e desses pontos para a sequência da competição”, observou Luz, admitindo que ainda falta algo para que as laterais do time consigam dar um apoio maior ao ataque do grupo.

“Ainda não estamos conseguindo fluir muito as jogadas para a área, mas creio que estamos conseguindo distribuir bem a bola para os atacantes”, concluiu.

O Leão volta a campo neste domingo (20/12), a partir das 18h, para enfrentar o Paysandu, no Mangueirão. O jogo é válido pela 2ª rodada do quadrangular do acesso na Série C e terá transmissão ao vivo e exclusiva pela DAZN. Clique aqui para fazer sua assinatura agora e ganhe 30 dias grátis.

Diário do Pará, 19/12/2020

6 COMENTÁRIOS

  1. Observando a lista dos atuais 33 jogadores do Clube do Remo, nota-se que o Treinador Paulo Bonamigo gira o trabalho em torno de somente uns 20 deles.

    É claro que o “Professor” não tem responsabilidade por todos que compõem o elenco, pois, já encontrou muitos jogadores quando chegou.

    De fato, ele deu o aval para a contratação de apenas 6 atletas:

    1 defensor, Wellisson.
    1 meio-campista, Felipe Gedoz.
    4 atacantes, João Diogo, Eron, Salah(tiel) e, Augusto.

    Dos 27 que completam o grupo, 7 têm origem ou passagem pela BASE AZULINA:

    1 goleiro, Lucas.
    2 defensores, Kevem e, Ronald (definido com lateral esquerdo).
    2 Meio-campistas, Warley e, Lailson.
    2 atacantes, Hélio Borges e, Wallace.

    Os 20 que sobram, já estavam aí quando o Bonamigo chegou.

    2 goleiros, Vinícius e, Thiago.
    9 defensores, R.Luz, Mimica, R.Jansen, Marlon, Mandai, G.Alemão, Fredson, Djalma e, Ewerton Castro.
    7 meio-campistas, ER10, Charles, Lucas Siqueira, J.Rusch, Dioguinho, C.Alberto e, Gelson.
    2 atacantes, G.Ermel e, Tcharlles.

    Como só iniciam as partidas 11 atletas, e podem ser realizadas 5 substituições, apenas 16 jogadores “trabalham” por final de semana.

    Para os 17 restantes, há uma “dança das cadeiras”, na qual, somente uns 5 conseguem vaga no rodízio do time.

    Resumindo, existem 12 atletas que NUNCA TIVERAM OPORTUNIDADES NO TIME.

    Tá certo que destes 12 profissionais, 2 são goleiros reservas do Vinícius. Tudo OK.

    Dos 6 “da base” que jogam na linha, só o Hélio Borges tem vaga e, o Wallace teve oportunidades, mas agora está contundido. Os outros 4 NUNCA APARECERAM.

    Alguns mais maduros como; Djalma e Dioguinho estão fora. O Ewerton Castro, parece que não está mais por aqui.

    Enfim, ficam as perguntas:

    1- Para que ter 33, se, só usam 20?

    2- Por que ter jovens da base, se, não acreditam neles?

    3- Qual a real intenção de insistir, com quem não dá respostas em campo, mas sempre entra no time?

    Quem souber, que responda!

  2. Muito bom seu levantamento Rafael FC, serve para reflexão e para fazer um planejamento de elenco e gestão da diretoria sobre a comissão técnica e executiva do futebol. O elenco não é prefeito, e também não foi bem planejado (o Ricardo Luz tem reserva na lateral direita?), mas acredito que é suficiente para conseguir o acesso à Série B do Brasileirão! Creio que a diretoria deva fazer um trabalho motivacional com o elenco, com equipes multidisciplinares ou o que quer que seja, são só mais cinco jogos e esses jogadores tem que ter consciência que tem que correr tudo que podem em cada jogo (creio que Série C é 70% esforço e 30% técnica). Vamos Leão!

    • O lateral direito reserva é o garoto Wellisson de 21 anos, que veio da Bahia, juntamente com o Eron de 22 anos.

  3. O Risco de lesao e a Pandemia justificam.. melhor sobrar do que faltar. Se a situação fosse inversa, talvez vc fosse o primeiro a criticar

  4. Remo 100% se o remo for campeão da copa verde e se o remo por exemplo pegar o fluminense ano que vem ou qualquer outro time grande o remo irá jogar no baenão contra qualquer um desses times grandes pois até lá não teremos mais o MANGUEIRÃO.

  5. O Ricardo Luz não tem feito um papel melhor porque o sistema tático engessa ele. O Remo com seu meio campo muito recuado impossibilita os laterais avançarem, daí o adversário passa a explorar atacando e bombardeando o gol do Vinícius. É óbvio demais o porquê de termos um ataque inoperante.

Comments are closed.