Rony Silva, Mazola Júnior e Netão
Rony Silva, Mazola Júnior e Netão

A pré-temporada do Remo, em dezembro/janeiro, durou 45 dias, teve uma etapa em Salinas e outra em Belém, mas o resultado foi pífio. O time azulino teve baixo rendimento físico, sobretudo pela baixa intensidade.

No pós-quarentena da pandemia, a partir da próxima quarta-feira (01/07), novamente os remistas terão um mês e meio de preparação, agora na inter-temporada. Será uma segunda chance para o Leão ter um time intenso, resistente, competitivo na temporada.

Na preparação básica anterior, pecados dos comandantes gaúchos que não planejaram conforme as peculiaridades regionais. Desta vez, porém, tanto o preparador físico Rony Silva como o técnico Mazola Júnior conhecem bem a realidade local e devem ouvir melhor o fisiologista Erick Cavalcante. Afinal, a torcida até tolera deficiências técnicas e táticas, mas nunca a falta de bravura.

Tabela

Na tabela original, o Paysandu iria enfrentar Itupiranga (em Marabá) e Paragominas (em Paragominas), enquanto o Remo receberia o Águia, depois iria a Santarém enfrentar o Tapajós. Agora, todos os jogos serão em Belém, mas sem público.

Nos esperados reencontros de azulinos e bicolores, o Parazão da pandemia pode ficar marcado pelos primeiros clássicos Re-Pa com torcida zero no estádio. A não ser que até lá haja permissão para alguma cota de público. Na era do futebol profissional, o Re-Pa com menor público foi na Taça CBF, em 1984. Um empate sem gols, visto por 2.068 torcedores.

Contratações

Dos jogadores que o Remo está contratando, só 3 virão no primeiro momento, para o Estadual. O centroavante Zé Carlos (37 anos), ex-São Bernardo (SP), o lateral-direito Everton Silva (26 anos), ex-Sampaio Corrêa (MA), e o volante Júlio Rusch (23 anos), emprestado pelo Coritiba (PR), chegam na próxima semana.

Coluna de Carlos Ferreira, O Liberal, 25/06/2020

Comentários