João Nasser Neto (Netão)
João Nasser Neto (Netão)

Sequência de vitórias, inspiração para o grupo e comissão técnica, moral pré-clássico e dinheiro no caixa. Nesta quarta-feira (13/02), a partir das 19h30 (horário de Belém), o Clube do Remo irá colocar vários fatores na balança para a sua partida de estreia na Copa do Brasil, diante do Serra (ES), no estádio Robertão, na cidade de Serra, região metropolitana de Vitória (ES). O Leão joga por um empate para avançar de fase frente ao seu primeiro rival fora do Pará nesta temporada.

Para alguns, os azulinos são favoritos para o duelo, no entanto, conforme o retrospecto de zebras no torneio nacional deste ano, a equipe precisará ser mais incisiva e efetiva coletivamente para garantir, sem sustos, a classificação e manter o começo positivo de ano que construiu até então.

Além do contraste entre os times, já que o Leão segue 100%, enquanto que o tricolor serrano ainda está ruim das pernas, tropeçando, inclusive, dentro de casa, os remistas possuem certa soberania diante de equipes capixabas. Ao todo, foram 5 jogos, com 4 vitórias azulinas e uma única derrota. A bronca é que o revés foi justamente para o Serra (ES), na Copa João Havelange, em 2000, por 5 a 2. Como tem sido em praticamente todas as suas partidas, essa será mais uma meta a ser batida pelo Remo em 2019.

O treinador João Nasser Neto deverá priorizar dois pontos importantes na hora da formatação da onzena para neutralizar o adversário: a estatura e a disposição com a saída de bola do setor defensivo para o ataque, pois os rivais trabalham em função de um centroavante alto e em jogadas aéreas. Assim, Robson e Diogo Sodré deverão retornar à titularidade no meio-campo, assim como Echeverría e Gustavo Ramos mais avançados. Contudo, independentemente de como entrar em campo, Netão, novamente, foi taxativo quanto à importância do jogo.

“É o jogo do ano para o Remo. A gente tem que estar preparado para tudo. Estudamos bem eles e isso permitiu a gente se preparar para adaptar com os estilos de jogo que eles podem colocar contra a gente. O padrão de jogo é o mesmo e a gente espera fazer uma boa partida antes de tudo”, explicou.

“É um jogo único para nós. É vencer ou vencer, por isso precisamos estar com pegada e mirar em mais uma vitória para manter o ambiente do jeito que está”, disse o atacante Gustavo Ramos, autor de 2 gols na última partida do Leão.

Diário do Pará, 13/02/2019

4 COMENTÁRIOS

  1. Técnico que tem uma grande oportunidade e a está perdendo por ser intransigente. Esse Robson marca só com o olho. Qdo pegou um jogo de maior pressão, usou da força para conter jogadas e foi expulso. Desde o jogo contra o Tapajós, já deu para ver que esse cabeça de área é que nem cavalo de índio: só pinta. David Batista não marcou gol contra o Independente, mas foi fundamental para que os demais arrebentassem. É muito combativo e técnico. Hoje foi preterido por esse Mário Sérgio, que até hoje não disse a que veio. Djalma é um meia como poucos, mas ele prefere improvisar o rapaz na lateral. Vacaria é um cabeça de área daqueles carregadores de piano, mas o “mago” só acha lugar para ele na zaga. É brincadeira… Remo perdeu mais de R$1.0000.000,00 líquido e perdeu a oportunidade de ver o Sócio Torcedor bombar. Olho nesse técnico, Diretoria!!!

  2. O futebol tem suas Zebras, existem vários sócio Torcedor que pouco vai a campo, porém tem a consciência que o Leão precisa de recursos nos momentos de Zebra, este tipo de sócio pode chegar a 12.000 adimplentes mesmos ocorrendo estas Zebras. Eu quero dizer também que o Leão é competitivo se o Netão tem 75% de vitórias no ano de 2019 ele também é um bom técnico. O sócio torcedor que ama o Leão, assiste pela televisão a cabo e é adimplente porque sabe que o Leão vai precisar de recursos extras para manter um Time em alto nível. 75% de vitórias ainda é um Time em alto nível, ainda não é o momento de colocar o Netão como técnico auxiliar, o momento atual é de aumentar o número de sócio adimplente. A Zebra aconteceu por causa da expulsão.

Comentários