Remo 3x0 São Raimundo (Echeverría e Gustavo Ramos)
Remo 3x0 São Raimundo (Echeverría e Gustavo Ramos)

Há um mistério que ninguém consegue elucidar ou explicar no Remo atual. Na reta final de preparação para enfrentar o Independente, sábado (16/03), no estádio Mangueirão, a escalação mais provável inclui outra vez o meia-atacante Echeverría improvisado como lateral-esquerdo.

O mistério vem do fato de que Echeverría chegou ao Baenão a bordo de uma campanha de marketing envolvendo o programa de sócio-torcedor Nação Azul. Foi apresentado como candidato à condição de ídolo e sua contratação foi o grande investimento para a temporada.

Depois das primeiras semanas de treinamento, ainda em dezembro, sob o comando de João Neto, participou de amistosos e chegou a fazer gol. Quando o campeonato começou, para surpresa geral, Echeverría foi barrado. O treinador optou por Dedeco para executar a função.

Mesmo depois que ficou evidente que Dedeco não justificava a titularidade, o principal reforço do elenco continuou sem chances. Veio a ser escalado somente contra o Independente, marcando um gol e aparecendo bem, apesar de visível falta de ritmo de jogo.

Contra o Serra (ES), pela Copa do Brasil, o time teve baixo rendimento e acabou derrotado, mas Echeverría foi um dos poucos que perdeu posição, reaparecendo somente no segundo tempo do clássico Re-Pa, espantosamente incumbido pelo técnico para ocupar a lateral-esquerda.

Acabou superado pela velocidade do atacante Elielton no lance que resultou no terceiro gol da partida. Ainda assim, por iniciativa própria, Echeverría avançou pelo meio e deu os dois únicos chutes perigosos em direção à meta bicolor no clássico.

Netão caiu e Márcio Fernandes assumiu, mas a improvisação continuou a prevalecer. Logo na estreia do novo comandante, diante do Tapajós, em Santarém, o meia-atacante foi deslocado no segundo tempo para o lado esquerdo da defesa, com rendimento pífio.

Como é óbvio que Echeverría não tem nem cacoete de lateral, além de não ser propriamente bom de marcação e nem velocista como a posição exige, fica no ar um imenso ponto de interrogação.

Ou o jogador não demonstra qualidades técnicas necessárias para ocupar sua função de origem – nesse caso, deveria ser dispensado – ou os técnicos entendem que a lateral-esquerda é o setor mais importante e decisivo do time, a ponto de escalarem ali o jogador tecnicamente mais qualificado do elenco.

O torcedor, que não é bobo, já percebeu que há algo de errado. Mais ainda quando se observa na escalação a presença do contestado Mário Sérgio ocupando o lugar que deveria ser do paraguaio.

A lógica, baseada no retrospecto do Remo na temporada, indica que o melhor aproveitamento de Echeverría seria como meia avançado, espécie de “ponta de lança”, em dupla com o estreante Douglas Packer, bem próximo ao duo ofensivo formado por Alex Sandro e Gustavo Ramos.

Técnicos, porém, têm ideias fixas e conceitos rígidos, nem sempre fáceis de decifrar.

Blog do Gerson Nogueira, 15/03/2019

3 COMENTÁRIOS

  1. Como sempre o Gerson Nogueira foi perfeito em seus comentários e também gostaria de saber porque um meia atacante é escalado na lateral????será que querem queimar o Echeverria?quem é um dos poucos que se salvam nesse elenco.

  2. Presidente fraco, técnico fraco, jogadores fracos são uns bandos de fdp que estão sacaneando o Remo, empatar com esse time fraco do independente é demais porraaa

Comentários