Fábio Bentes e Carlos Kila
Fábio Bentes e Carlos Kila

Carlos Kila está apenas em seu primeiro dia de Clube do Remo. O novo executivo de futebol do clube chegou a conversar com a imprensa durante a madrugada, em seu desembarque na capital paraense, e mais duas vezes durante a tarde, primeiro para a Remo TV e, em seguida, uma coletiva com jornalistas foi realizada no Baenão.

O principal foco do profissional, no momento, é a contratação de um técnico. Um nome ainda não foi definido, mas a ideia é chegar a um acerto ainda esta semana.

“Não sei (quem será). Primeiro, temos que traçar justamente um perfil, temos que ver o que a gente quer para o Remo. Estamos conversando sobre isso, realmente, mas até o momento não temos um nome a mesa. Temos que ter justamente o cuidado para que se faça a coisa de forma tranquila, com certeza e convicção”, disse Kila.

“A ideia é no dia 16/12 começarmos a pré-temporada. A gente imagina que ainda essa semana, ou no início da semana que vem, tenhamos definida a questão do técnico. A gente precisa ir passo a passo”, continuou.

O executivo de futebol do Leão afirmou que o elenco começará a ser montado após a contratação do técnico, já que este deverá fazer parte do processo de deliberação sobre jogadores e do estilo de jogo.

“O que dá sustentabilidade ao torcedor é o resultado e, para isso, começamos a trabalhar no sentido de definir prioritariamente a contratação do treinador, que na montagem do grupo é fundamental para que se traga jogadores no perfil de jogo e estratégico dele. É nisso que estamos trabalhando”, adiantou.

A entrevista com Carlos Kila durou pouco mais de 30 minutos, tempo em que o executivo falou sobre sua visão de futebol, trabalhos anteriores e das metas que pretende alcançar no Remo. Confira outros trechos a seguir:

Credibilidade da diretoria

Me enriquece muito estar aqui, ter uma experiência mais uma vez em um clube de massa, que tem um potencial de crescimento espetacular, vem em uma gestão responsável e que talvez tenha sido determinante para que estivesse aqui. É uma ferramenta fundamental o resgate da credibilidade do clube no mercado nacional, isso facilita muito o nosso trabalho quando a gente começa a tratar com atletas, profissionais que possivelmente possam vir a trabalhar conosco.

Papel do torcedor como “patrocinador”

O Remo é bicampeão estadual, ascendeu a Série C do Campeonato Brasileiro e hoje temos um calendário. Temos uma fantástica torcida, que por sinal é o maior patrocinador do clube. A medida que o nosso maior patrocinador chegar nos jogos, potencializa o processo, ganhamos condições de trazer jogadores de um investimento maior e é isso que queremos alavancar. Têm clubes que estão disputando a Série B que não colocam 50 torcedores no estádio, fica ruim até de ver o jogo. Não é melhor que o Remo esteja lá? Temos que ser competentes, pois eles foram. De alguma forma eles se organizaram, fizeram um planejamento e chegaram lá. A maioria desses clubes vai se manter. Passa por planejamento.

Relação com a imprensa

Vamos ter um convívio harmonioso no dia a dia. A qualquer momento posso estar pronto para atendê-los, se tiver disponibilidade. Temos que aprender a nos respeitar, cada um dentro da sua função. Isso é muito importante para que tenhamos um bom convívio.

Metodologia de trabalho

Desde o início das nossas conversas, quando tratamos a possibilidade da minha vinda, conversamos sobre vários aspectos, não somente com relação à equipe. Sabemos que o principal é o futebol, mas o Clube do Remo vem em um processo de crescimento e estruturação, e isso faz a grandeza do clube. Você pode ter um time bom hoje, amanhã pode ter um time ruim, mas o clube estruturado, organizado, precisa ter investimento em outras áreas e é também nesse sentido que pretendo colaborar, esse é o nosso acordo. Todas as questões relativas ao futebol vamos dividir responsabilidades. Carlos Kila não é um contratador, não vim aqui para contratar jogador, vim aqui para desenvolver um trabalho, liderando, naturalmente, a questão do futebol, ascendência sobre treinador, sobre o dia a dia, o trato com vocês (imprensa), todos os setores do clube que tenho que fazer com que funcionem, porque futebol não é só dentro do campo, precisamos ter essa retaguarda forte também.

Ideia de elenco

Trabalhei 9 anos na base do Grêmio (RS), foi onde comecei a firmar muitos conceitos, onde aprendi muitas coisas que aplico até hoje. Gosto dos jogadores de base. Acho que é fundamental, para qualquer clube, para dar sustentabilidade, receita, ter ativos para poder gerar negócios, mas acho que somente a base não sustenta um processo de exigência de uma torcida que cobra, como é a nossa. É preciso ter um certo equilíbrio, jogadores maduros que, principalmente, tenham vivenciado dificuldades, que já tenham tido a experiência de um acesso.

Investimento limitado e Série C como meta

Você quer subir para a Série B? Você tem que ter um time já do nível da Série B. São os que sobem, os que tem nível de investimento maior. Não temos recursos para montar uma equipe para competir com outros mercados de Série B, então temos que montar uma estratégia, preservando aquilo que temos de melhor, como renovar com atletas que já tiveram êxito aqui. Vamos buscar outros, vamos dar oportunidade para jogadores jovens e aproveitar o Estadual, que é o momento que temos essa condição, pois traçamos como objetivo principal a Série C, o acesso. Nãos vamos descartar o Estadual, vamos lutar para ser tricampeões, mas o “cobertor é curto”.

Globo Esporte.com, 05/11/2019

Comentários