Vacaria
Vacaria

O Clube do Remo apresentou o volante Vacaria, na manhã desta segunda-feira (11/06). O jogador gaúcho está integrado ao Leão desde a semana passada, mas só agora concedeu sua primeira entrevista coletiva no novo clube.

Vacaria chega para suprir uma carência no setor de meio-campo, já que são poucas as opções de maior contenção disponíveis no elenco remista.

“Sou um jogador da primeira função do meio-campo. Posso jogar também de lateral-direito, mas minha função mesmo é a camisa 5. Hoje, se fosse jogar entre os 11, seria o 5, mas isso deixo para o Artur. Vou trabalhar e procurar ajudar. Vou motivar meus companheiros. Vim aqui para ajudar. Se optar por mim, vou ficar mais feliz ainda e dar o meu melhor. Sou um jogador de muita raça, vontade. Tenho uma família que depende de mim. Então, essa situação que a gente se encontra não é legal para ninguém. Nenhum jogador quer parar a temporada em agosto”, explicou.

Vacaria ainda não teve a oportunidade de entrar em campo. Ele aguarda regularização junto a CBF, que deve ocorrer ao longo da semana. Porém, o volante afirma que, como parte do grupo, já se sente responsável por ajudar a motivar o time a melhorar a condição no clube na classificação, que se encontra na lanterna do Grupo A.

“Estou muito feliz nesse desafio que foi proposto para mim. Quando o Ari (Barros, executivo) me ligou, não pensei duas vezes. Nem pensei tanto em dinheiro. Como ele falou, agora é hora de fazermos o algo a mais. Acho que não foi o bastante o que fizemos até agora. Já me incluo no grupo, porque já estou aqui. Aquele jogador que deu 100% não bastou, então é hora de darmos 120%, 130%, seja lá o que for. É um gigante adormecido, que não merece passar por essa situação. Quem entende de futebol, sabe que o Remo não merece estar na situação que se encontra hoje”, ponderou.

O volante espera ainda entrar em sinergia com a torcida na busca pela recuperação na Série C e também confirmou que está fisicamente apto a entrar em campo o quanto antes.

“É o momento da torcida estar com a gente. Sei que o torcedor está chateado nesse momento, é cabível porque o Remo é um clube grande, então vai ser cobrado sempre. Chegou hora do nosso vestiário se fechar. Não tem mais tempo para perder ponto dentro de casa. Acho que o time que vem aqui tem que nos respeitar. O time que está vindo aqui não está respeitando a camisa do Remo. Então é hora do respeito voltar. O caminho é por aí. Qualidade a gente tem. São jogadores que jogaram em clubes grandes. Chego aqui para somar, para ajudar o Remo. Estou preparado. Se o professor precisar de mim, estou pronto”, garantiu.

O Remo volta a campo na próxima segunda-feira (18/06), contra o Atlético (AC), em Belém. O duelo também marca o início do “segundo turno” da Série C e a meta dos azulinos e não perder mais nenhum ponto em seus domínios.

“São 9 guerras. Não podemos perder nenhum ponto dentro de casa. Nosso pensamento hoje não pode ser iludido. Temos que sair da situação que estamos. Uma situação incômoda, ninguém está feliz. Precisamos sair dessa o quanto antes. Azar do Atlético (AC). Eles virão aqui sofrer. Vão ter que nos respeitar dentro de casa. Não pode perder ponto bobo em casa. Temos que ganhar os pontos em casa e procurar fazer fora”, resumiu Vacaria.

Veja outros trechos da entrevista:

Ambição

Minha primeira ambição hoje é tirar o Remo dessa situação. Não penso nada de carreira, até porque sei que tenho uma qualidade muito grande e um futuro pela frente muito bom. Isso só depende de mim. Hoje quero ajudar o Remo. Ninguém está feliz e confortável, mas tenho certeza que no trabalho do dia a dia vamos sair dessa.

Avaliação do momento

Desde que cheguei aqui, estou no barco junto com os caras. Na minha visão, temos que ser um time mais “operário”. Temos que jogar segundo o regulamento do campeonato. Se tiver que jogar feio, tem que jogar, porque jogar bonito não está adiantando. Tem que jogar por uma bola, duas bolas, mas tem que ganhar o jogo.

Situação do Remo

Na minha carreira, é o maior desafio até o momento. Tenho 24 anos. Tive uma situação também no Fortaleza (CE), no ano passado, mas a situação que passo aqui, todo mundo tem que passar e viver. É viver o Remo 24 horas por dia. É viver o Remo em casa, fora. Tirar o Remo dessa situação, depois poderemos pensar em algo a mais na competição.

Globo Esporte.com, 11/06/2018

7 COMENTÁRIOS

  1. Chega de volante brucutu , temos q ter volante q saiba sair jogando . Se for pra ficar fazendo falta na intermediária é só botar a merda do GEANDRO
    Fracamente, esse diretoria é muito incompetente

    Boa sorte meu leao

    Infelizmente vamos brigar pra não cair esse ano, brigar pela série B só ano que vem

  2. Eu também vou comprar meu ingresso e vou pro jogo, como sempre, eu e meus três filhos fazemos! Aki é Remo porra, vamos parar de criticar achar que tudo não presta e vamos pro jogo porra, meter pau e fácil, quero vê é ir pro jogo!!!! Segunda vai ser o início de uma reação, eu acredito, vamos lá galera!!!!

  3. Eu concordo com o Vacaria, no momento não é vantagem jogar bonito e perder pontos. Eu vou ficar do lado dos que querem ver o Leão ganhando ponto, vale até gol de canela desde que o Leão vença. Eu quero ver uma defesa jogando no corpo a corpo na retranca como eles estão fazendo com o Leão. O Atlético Acreano vai querer jogar na retranca pensando que o leão vem com um Jogo bonito, não dá pra jogar bonito é na retranca para não cair, depois a gente pensa em subir. Como digo um Time que tem uma folha mensal, de quase 500.000,00 pagando em dia não tem Jogadores Perna de Pau não, se for preciso jogar na retranca eles também sabem jogar, assim como sabem jogar bonito, porém agora nós precisamos pontuar.

  4. Me deu até vontade de ir agora, mas estarei trabalhando. Gostei do que falou Vacaria, tem que jogar de acordo com regulamento. Jogar feio não importa, agora tem que ganhar. O Remo realmente não tem tido sorte, acabei assistindo o segundo tempo de Goiás e mucura, o Goiás era pra feito no mínimo 3 gols só nesse período, a mucura foi completamente dominada, não deu um chute no gol, mas perdeu apenas de 2×1. O Remo não é dominado, mas entrega os gols. Se o Moisés tivesse dado um bico naquela bola, poderia ser chamado de ruim, mas não sairia o primeiro gol, e se o Brasília tivesse tentado o desarme ou mesmo feito um falta fora da área, poderia ter sido chamado de grosso, mas não seria dentro da área, que embora tenha feito um desarme perfeito, na cabeça do árbitro foi pênalti. São detalhes que vêm comprometendo.

Comentários