ABC-RN 2x1 Remo (Gustavo)
ABC-RN 2x1 Remo (Gustavo)

Depois de sofrer a 4ª derrota em 7 jogos na Série C, no sábado (26/05), em Natal (RN), o Remo se aproximou da zona de rebaixamento e ampliou as desconfianças quanto à capacidade de reagir no torneio.

Pior: o técnico Givanildo Oliveira, elogiado pelo trabalho que garantiu a conquista do título estadual de 2018, não resistiu ao desgaste e entregou o cargo.

A encruzilhada em que o Remo se encontra no momento é própria de uma agremiação que alimenta sonhos de alcançar a Série B, mas se sente desconfortável e atrapalhada na Série C.

Com boa produção no Estadual, superando-se nos momentos decisivos, o time que encerrou a competição só sofreu uma perda para a Série C: Felipe Marques. Porém, cabe reconhecer que, além de seu principal atacante, o Leão perdeu a dinâmica de marcação e a capacidade de sufocar os adversários.

No Campeonato Brasileiro, com equilíbrio acentuado entre as equipes e esquemas mais rígidos de marcação, o Remo não conseguiu ter o mesmo aproveitamento do Parazão, fato previsível diante da significativa diferença técnica entre as competições. O equívoco do sistema 4-3-3, ofensivo no papel e inofensivo na prática, também responde por boa parte dos revezes azulinos.

Difícil é fazer com que os torcedores entendam esse dilema depois de terem sido levados a acreditar que era possível se destacar na Série C praticamente sem reforçar a equipe campeã estadual.

Givanildo Oliveira é o menos culpado pelo quadro atual. Sai de cena pelo acúmulo de desgaste com a campanha instável, mas é fato que alertou, desde sua chegada, quanto à necessidade de contratações pontuais. Indicou jogadores, mas a maioria não aceitou a oferta salarial do clube.

Quando o Parazão acabou, ele recebeu Dedeco e Moisés como reforços. Depois, chegaram Everton, Eliandro, Ninhinho e Rafael Bastos. Ruan desembarcou em Belém no domingo (27/05). Ainda é pouco para o grau de dificuldades que a competição nacional oferece.

Com o elenco que tem, o Remo precisará se organizar mais para brigar de igual para igual com a maioria dos concorrentes, alguns surpreendentemente bem, casos de Atlético (AC) e Juazeirense (BA).

Na Série C, transpiração é um dos itens obrigatórios da disputa. O Remo, nos últimos jogos, tem sido pouco eficiente nesse quesito, relaxado até. Joga sem muita pressa e dá liberdade demais aos seus oponentes. Nem times qualificados tecnicamente podem se dar a esse luxo.

Quanto às limitações do elenco, de conhecimento até do reino mineral, está claro que não serão resolvidas com a simples troca de treinador. Seja quem for o substituto (Itamar Schüller, Lisca Doido, Francisco Diá, Artur Oliveira, PC Gusmão, etc.), terá dificuldades em dar ao time “sustança” suficiente para um esforço de recuperação.

A partida em Natal (RN) foi reveladora da precariedade técnica. Os gols do ABC (RN) surgiram no segundo tempo, depois de uma etapa inicial equilibrada. As jogadas nasceram de erros individuais (Gustavo no primeiro lance e Bruno Maia no segundo) dos jogadores encarregados da marcação pelos lados, tendo o meio-campo sua parcela de responsabilidade pela falha de cobertura.

Quando saiu para buscar o gol, faltou ao Remo qualidade no passe, força na área e velocidade nas ações pelo lado. O meia Rafael Bastos entrou bem na partida, mas o lado coletivo estava fragilizado, incapaz de brigar pelo empate.

Distante apenas 3 pontos do G4, a situação não é desesperadora, mas inspira cuidados.

Blog do Gerson Nogueira, 28/05/2018

14 COMENTÁRIOS

  1. Contratem o Rogério Zimmermann, levou o Brasil Pelotas como uma estrutura bem fraca como o Remo e com uma torcida apaixonada a série B… uma trabalho de longo prazo garanto que Remo volta a elite.

  2. A culpa não é do treinador, tá faltando atacante eficiente que saiba cruzar a bola e que saiba dar passe com qualidade para seu companheiro fazer o gol .

    • Concordo, a maior culpa é esses diretores que não querem largar o osso, cada vez mais, discredibilizam o CLUBE DO REMO por isso a dificuldade, quando fazem contato com novas contratações e eles sabem que é o remo, desistem, muitas informações ruins, time que não paga em dia, tem muito processo judicial.

  3. E nesse momento, no outro grupo, cuiabá é lider com Eduardo Ramos, que marcou no ultimo jogo. Vale ressaltar que mesmo com a derrota o cuiabá é lider. Crucificam o Eduardo, barram o pimentinha e mantem isac e jaime ( esse pelo amor de deus, tem que voltar pra escolinha). Ta na hora da diretoria adotar um olhar crítico porque esse olhar técnico adotado (risos), não funcionou até agora.

    • É, esse Eduardo Ramos passou 4 anos aqui e nunca deixou o Remo numa condição confortável. Tempo ele teve de sobra.

  4. Todos sabem que o Remo tem um elenco limitado. Essa limitação não foi levada em conta pelo Givanildo quando escala três atacantes deixando o sistema defensivo vulnerável e manteve o Isac no time titular. Ele é um bom treinador, mas muito teimoso. Agradeçamos o título do parazão e que venha outro treinador que dê um equilíbrio para nosso clube e o ajude conseguir o acesso.

  5. Ta dificil tinha que ser treinador caseiro Netão e Arthur dava certo ja conhecem o clube os jogadores so falta esses dirigentes fazer besteira de novo.

  6. Rafael Bastos jogou bem?? Não vi isso vi três vezes a bola chegar nele. As tres vezes ele deu três passes errados que eram para potencial ataque. E não marca, o cara tinha acabado de entrar no jogo o advrsário passou com a bola a 5 metros dele e ele ficou andando e olhando pra ver no que ia dar. Vai ser murrinhento assim lá na curuzú. Aqui não!!!!! No meu time não jogava mais sem vontade, sem doação, sem honrar a camisa não serve. Ainda mais em um 4 3 3. Como é que um cara desse se da ao luxo de deixar a marcação pro colega. Se dependesse de mim tava na rua hoje mesmo.

  7. Com o Giva ou e sem o Giva o Leão tem tudo para crescer na competição. O Leão já tem bons Jogadores falta entrosamento isto vem com a sequência de jogos. Eu sou Pé no chão, se o Professor Giva tem disposição, vai depender apenas dos Jogadores treinarem pela manhã e pela Tarde, o Professor vai precisar de um auxiliar técnico competente que acompanhe os treinamentos na ausência dele, este auxiliar pode ser o Netão ou Arthur. O Giva está no Leão porque gosta de Futebol com certeza ele quer mais do que nós o sucesso do Leão, ele precisa de tempo, se o acesso não vier este ano que venha para o próximo.

  8. Givanildo cometeu o mesmo erro do Ney da mata, falhou na escolha do esquema tático e insistiu tolamente com alguns jogadores totalmente improdutivos. O desempenho do Adenilson, Isac e a saída do Felipe marques foram exemplos de teimosia e falta de senso crítico para buscar uma nova formação com outras peças. Terá sucesso o treinador que souber usar as peças que temos para fazer essa equipa voltar a pleitear algum objetivo na competição. É muito provável isso, diante do baixo nível técnico da terceira divisão. É esperar e torcer que os contratados sejam realmente aproveitados e entendam o espírito de superação e compromisso de quem veste a camisa do remo. Eu acredito!

  9. Eu acredito. Agora têm que colocar os caras contratados pra jogar. Contratar pra fazer um banco de luxo não vai nos levar a lugar nenhum.

  10. Galera vamos confiar em Deus e no elenco que nós temos…galera vamos apoiar o time,eles tem que saber que o time que eles jogam não é qualquer time…vamos deixar de vaiar,não adianta ameaçar os jogadores é pior fazer isso,vamos apoiar que se Deus quiser tudo vai dar certo.7 rodadas já passaram ainda temos mais alguns jogos,a guerra ainda não está perdida.vamos lá galera vamos apoiar esse time que nós temos.

Comments are closed.