Sergio Sosa
Sergio Sosa

Conquistar ou reconquistar espaço no mercado do futebol não está fácil para ninguém. O mesmo Remo que alguns profissionais rejeitam, pela grave crise que enfrenta há mais de 10 anos, tem agora 3 jogadores no seu “laboratório” com rodagem internacional sendo avaliados: o atacante paraense João Leonardo, 24 anos, ex-FC Dila (Geórgia) e Alcanedense (Portugal); o também atacante Sérgio Sosa, 24 anos, argentino, com passagens por vários clubes do seu país; e o volante Thiago Dutra, 28 anos, catarinense, ex-Villareal “B” (Espanha), Haifa (Israel), Maccabi (Israel) e Cafetaleros (México).

Tal como o trio internacional, todos os outros têm história para contar e a determinação de convencer João Nasser Neto de que podem ser úteis ao Leão em 2019.

João Leonardo ganhou o aval do técnico azulino no amistoso contra a Tuna, mas mesmo pré-aprovado, está se submetendo a melhores observações. Até porque a ideia é fazer 12 sessões de treinamento com esses atletas e testá-los em 3 amistosos. Os outros são Adelson, Yan, Thiago Costa, Edinaldo, Tetê, Neto, Murilo, Platini, João Neto, Samuel, Bruno e Giovani.

Os volantes Murilo e Neto, em avaliação no laboratório do Remo, surgiram no Paysandu como ótimas promessas. Murilo, agora com 23 anos, tinha apenas 18 quando estreou no time profissional contra o Sport (PE), na Ilha do Retiro, em 2013, mas não teve continuidade. Neto, agora com 26 anos, fez 20 jogos pelo rival bicolor em 2012 e saiu para o Bragantino (SP), passando depois por Luverdense (MT), Mogi Mirim (SP), Cascavel (PR) e Trem (AP).

Para quem faz chacota com o “laboratório” do Leão, vai a lembrança de alguns jogadores de sucesso improvável que emplacaram nos últimos 18 anos, quando tiveram real oportunidade: Zé Augusto, Balão, Wellington Saci, Landu, Ricardo Capanema, Whelton, Leandro Cearense, Elielton, Perema, entre outros.

A programação com 12 sessões de treino e 3 amistosos, em 18 dias, é bem apropriada para as circunstâncias e para o propósito desse oportuno trabalho que Netão e Ari estão fazendo no Baenão.

Coluna de Carlos Ferreira, O Liberal, 10/10/2018

2 COMENTÁRIOS

  1. Isso e muito válido, muito melhor do que contratar no escuro, ou ver um vídeo de tal jogador. Creio que Netão vai sim acertar nessas peças que o Leao está precisando.

  2. SOBRE O “LABORATÓRIO” UMA LISTA UM TANTO LONGA, APENAS LEMBRANDO O CENTRO-AVANTE (DENOMINAÇÃO DESSA POSIÇÃO DO FUTEBOL SAUDOSISTA) Bira. JOGADOR MACAPAENSE QUE VIVIA “MARGINALIZADO” NA CURUZU, IRMÃO DO EFICIENTE LATERAL DIREITO Aldo, QUE JOGOU ANOS NO RIVAL E TRANSFERIU-SE PARA O FLUMINENSE-RJ. Bira, PARA MIM, E MUITOS FOI UM DOS MAIORES CENTRO-AVANTES ARTILHEIRO, “MATADOR”, COM “CHEIRO DE GOLS” QUE JÁ VESTIRAM O MANTO SAGRADO DO FILHO DA GLÓRIA E DO TRIUNFO. Bira FOI TRANSFERIDO AO INTERNACIONAL-RS. CONSIDERO Alcino (“NEGÃO” MOTORA) E Bira OS DOIS MAIORES/MELHORES ÍDOLOS DA HISTÓRIA DO CLUBE, COMO TAMBÉM DO FUTEBOL PARAENSE E DA REGIÃO NORTE E NORDESTE.

Comentários