Fábio Bentes
Fábio Bentes

Sócio azulino desde 1993, com serviços prestados ao Remo, o conselheiro Fábio Bentes, 41 anos, surge como o segundo candidato à presidência do Remo na eleição no mês de novembro – o primeiro foi o médico Ricardo Ribeiro.

Na última quinta-feira (23/08), durante uma plenária em torno da situação pela qual passa o Leão, Bentes confirmou a sua candidatura ao posto máximo do Remo nas próximas eleições.

“Vamos esperar abrir as inscrições para formalizar nossa chapa”, informou Bentes, que disse conhecer o Remo por dentro, sabendo como funciona a máquina administrativa e, por isso, teria condições para expor seu nome ao pleito, cuja disputa promete ser bastante concorrida.

“Se sou postulante ao cargo é porque tenho conteúdo de trabalho para oferecer ao Remo”, destacou.

Ocupando funções como diretor de marketing e vice-presidente na gestão de André Cavalcante (2016) e, atualmente, membro do Conselheiro Deliberativo, Fábio Bentes se destaca pela presença nas reuniões, discutindo assuntos revelantes da administração azulina.

Bentes, por exemplo, cobrou postura transparente ao presidente Manoel Ribeiro, que durante a campanha eleitoral fez inúmeras promessas, mas nenhuma foi cumprida.

Fábio lembra da sua gestão ao lado de André Cavalcante, quando foi acusado de praticar “gestão temerária” pelo Conselho Fiscal.

“Nunca houve irregularidade ou desvio de dinheiro para outros fins. Hoje, o Conselho poderia agir da mesma maneira. É uma questão do ponto de vista discutível”, destacou, sem revanchismo.

A campanha de Fábio Bentes já conta com o apoio de vários amigos e conselheiros, entre os quais, André Malcher, que visualiza novos caminhos ao Remo com Fábio na presidência.

“Vejo a hora de mudanças na atitude representativa do Remo junto à sua torcida, que é mais prejudicada com essa desordem que corrói toda a estrutura do Remo. O Remo não está bem situado”, revelou.

A conselheira Marijane Ribeiro participou da plenária, aprovou e concordou plenamente com o lançamento do companheiro para disputa das eleições.

“Fábio é uma pessoa com boa relação para uma gestão qualificada para o Clube do Remo. Hoje (quinta-feira) ele mostrou a necessidade de mudanças no Remo. Acredito em uma transformação quando o Remo for dirigido por azulinos dispostos a tudo pelo bem da agremiação. Fábio se encaixa nesse perfil e tem meu apoio”, apontou.

Plenária

A plenária “MudaREMOs” aconteceu no auditório da Uninassau e reuniu mais de 200 azulinos. O espaço foi pequeno para acomodar tantas pessoas interessadas no tema “O Remo que Queremos”, que foi abordado por conselheiros e convidados, com destaque para o consultor financeiro Ademir Junior, reconhecido nacionalmente pelos trabalhos realizados em clubes, como Vasco (RJ), Flamengo (RJ), Rancing (Argentina) entre outros.

Ademir Júnior apresentou à plateia uma abordagem sobre o panorama atual do Remo no campo financeiro, observando diversos problemas na administração atual do Leão e relatando como solução uma gestão profissional.

“Acredito que a estrutura de gestão de um clube ou qualquer que seja sua forma necessita de planejamento, uma relação duramente profissional. Esse evento proporcionou uma interatividade, além de uma relação mais próxima para o processo de gestão profissional no Remo, caso o Fábio seja eleito presidente. Ele tem esse perfil, por possuir qualificações em marketing esportivo e boas relações humanas”, concluiu.

O Liberal, 26/08/2018

12 COMENTÁRIOS

  1. Mais uma vez eu falo, o Remo precisa de dinheiro! Vc tem? Vai depender de patrocínio? Contar como ovo no cu da galinha? Outra é esse médico que nem aparece e quando as coisas ficam difícil da desculpa furada!

    • Meu amigo, todo clube que se preze e que não é do sul ou do sudeste tem duas fontes principais de renda que são o sócio torcedor e patrocínios. Patrocínios o Remo tem, agora sócio… o torcedor não quer ser. O Remo tem pouco mais de 1500 sócios adimplentes, aí fica complicado fazer futebol assim(ainda mais todo endividado como o Clube está). Você não acha que alguma pessoa vai doar 100 ou 200 mil por mês para o Remo não é?! Isso não existe! Isso é conto do Pirão

  2. Esse senhor não tem trajetória no clube que justifique esse pleito. Desconheço mesmo sua competência para presidir o Remo.

    • Ele é sócio a 25 anos, já foi diretor de marketing, vice presidente na gestão do André Cavalcante e é membro do Condel. Como pode dizer que ele não tem trajetória no Remo?! Vamos deixar a presidência nas mãos do Manoel Ribeiro então não é?! O “marechal da vitória” para ele terminar o que tentou e não conseguiu em 2 anos: REBAIXAR O REMO!!!

      • Confirmou o que disse. Qual o êxito da administração do André. Gestão bisonha. Tendo que sou sócio e acompanho o Remo a pelo menos 40 anos e nunca ouvi falar nesse senhor. É um indicador de que nunca teve projeção no Remo. Quanto ao Condel é a já conhecida articulação de fazer um grupo onde cada um consegue um número de votos que eleja o grupo. Deveria ser um conselho/grupo importante. Mas não é . Ser do Condel não significa ser um Grande Remista. Não votarei nele. Concordo com o Romulo. O Remo precisa de dinheiro para entrar lá tem que ter uma experiência empreendedora e de gestão sucedida e mais notória. Ainda não vi nenhum dos que estão falando atender o requisito que o Remo precisa.

  3. Vejo como uma das prioridades para 2019 é criar uma base para 2019 renovando o contrato do treinador Netão e dos seguintes jogadores:Vinicius, Nininho, Mimica, Bruno Maia, Fernandes, Vacaria, Rodriguinho, Eliandro, Jaime. E também colocar o Baenão em condições de realização dos jogos.

  4. Mas antes o Miléo Junior e o Deputado que estava trabalhando juntos, concorrer ao pleito tem chance de ganhar.

    • Todas essas chapas são boas para o Manoel, enquanto vários candidatos vão dividindo os votos o Manel já tem o pessoal dele. Fica difícil assim

  5. Essa presidência não pode ser do Manoel por mais dois anos ou ele vai conseguir rebaixar o Remo

Comments are closed.