Manoel Ribeiro tem contras reprovadas e Condel dá 30 dias para defesa

11/10/2017
Manoel Ribeiro

Na noite desta terça-feira (10/10), uma reunião do Conselho Deliberativo (Condel) do Leão chegou a discutir o afastamento do presidente Manoel Ribeiro até que se apurem supostas irregularidades no balancete dos primeiros 4 meses de gestão do mandatário. Porém, ao final da reunião, ficou decidido que Ribeiro terá um prazo de 30 dias para revisar seu relatório de prestação de contas e apresentá-lo novamente ao Conselho.

Em frente à sede azulina, vários torcedores contrários à gestão de Ribeiro se aglomeraram e fizeram uma manifestação pacífica. A movimentação não durou muito e poucas pessoas permaneceram até o final da reunião, que terminou depois das 23h.

Na última semana, o Conselho Fiscal (Confis) do clube indicou problemas na prestação de contas dos meses de dezembro de 2016 a março deste ano, que não estariam seguindo um “padrão de contabilidade”. Entre as irregularidades apontadas pelo relatório do Confis que foi enviado ao Condel está a falta de documentos que comprovem alguns gastos.

“O Confis está recomendando a reprovação das contas, diante de algumas irregularidades e da ausência de certos documentos comprobatórios. Vai haver o debate dos conselheiros e a votação pela aprovação, reprovação ou aprovação com ressalvas dessas contas”, afirmou o presidente do Condel azulino, Ângelo Carrascosa.

Se, após o prazo de 30 dias, as contas da gestão de Ribeiro forem reprovadas, será marcada uma reunião extraordinária para eleger a comissão que irá apurar as irregularidades e ouvir a defesa do presidente. Caso essa comissão julgue serem graves as acusações, poderá solicitar o afastamento temporário do presidente até que conclua a sindicância. Será então convocada a Assembleia Geral, que acatará ou não o pedido de afastamento feito pela comissão. Quem assumiria momentaneamente o clube seria o vice-presidente, Ricardo Ribeiro, mesmo estando licenciado do cargo.

“Sendo reprovada (a prestação de contas), pode ser aberto um processo para apurar a responsabilidade sobre essas irregularidades contra o presidente Manoel Ribeiro, em que ele vai ter a oportunidade de se defender, de se explicar sobre cada uma dessas ressalvas e, se essa comissão entender que essas irregularidades são de gravidade de tamanha monta que justifique o afastamento, em sendo proposto essa penalidade será convocada uma Assembleia Geral, pois somente a Assembleia Geral de sócios, que foi quem elegeu o presidente Manoel Ribeiro, pode afastá-lo”, continou Carrascosa.

O Liberal, 11/10/2017

2 Comments

  1. Adauto Moura

    11 de outubro de 2017 at 14:06

    SOMENTE A MASSA AZULINA PODE E NECESSITA GRITAR EM UNÍSSONA : “FORA TODOS ELES!”

    PODEMOS RESUMIR ESSA REUNIÃO EM UMA ÚNICA PALAVRA SOBRE A “LAMA, PÂNTANO, LIMBO” EM QUE SE ENCONTRA O CLUBE. PALAVRA ESTA DE UMA TESE QUE PERMEIA ULTIMAMENTE (E POR QUE NÃO HISTORICAMENTE ?) OS ALICERÇES DA INSTITUIÇÃO CLUBE DO REMO, PREDOMINANTEMENTE O SETOR DE FUTEBOL “PROFISSIONAL”. TESE ASSIM COMPROVADA EM APARELHAMENTO, AMADORISMO CRÔNICO, CORPORATIVISMO, PATRIMONIALISMO, FISIOLOGISMO E CORRUPÇÃO. A PALAVRA : CONDEL = BORDEL!…OU AINDA, ANACRONISMO!

  2. EMANOEL RODRIGUES

    12 de outubro de 2017 at 00:35

    E muita frescura para afastar manoel ribeiro, enquanto isto o remo perde muito , voces estao nadando para traz